Alunos de Vitória na 2ª fase da Olimpíada Nacional de Ciências

Virtual: 18 alunos de Vitória estão na 2ª fase que ocorrerá no próximo dia 3 de setembro.

Em 31/08/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Jansen Lube/PMV

De acordo com os professores dessa galera, estimular que os estudantes participem dessas atividades traz muitos benefícios.

As ciências explicam quase tudo o que nos cerca, desde um fenômeno corriqueiro, como a chuva, até a invisível da gravidade, por exemplo. Lentes de aumento para o que acontece ao nosso redor e a distâncias imensas, no espaço, as ciências estimulam a criatividade dos estudantes.

Ao todo, 18 estudantes das Escolas Municipais de Ensino Fundamental (Emef) Álvaro de Castro Mattos, em Jardim da Penha; Arthur da Costa e Silva, em bairro República; e Orlandina D’Almeida Lucas, em São Cristóvão, representarão Vitória na segunda fase da Olimpíada Nacional de Ciências (ONC), que ocorrerá no próximo dia 3 de setembro, de forma virtual.

De acordo com os professores dessa galera, estimular que os estudantes participem dessas atividades traz muitos benefícios, entre eles: despertar e estimular o interesse pelo estudo das ciências naturais; identificar estudantes talentosos e incentivar seu ingresso nas áreas científicas e tecnológicas; proporcionar desafios aos estudantes visando ao aprimoramento de suas formações; contribuir para a melhoria da qualidade da educação básica e promover a inclusão social por meio da difusão do conhecimento.

“A disciplina de Ciências no Ensino Fundamental desperta muita curiosidade nos estudantes, principalmente quando trabalhado o ensino por investigação e experimentação”, destacou o professor Victor Hugo, da Emef Orlandina.

Forma de aprender

Na Emef Álvaro de Castro Mattos, são 11 estudantes classificados para a segunda fase da Olimpíada Nacional de Ciências. A professora Vanessa Umbelina, que atua no turno matutino destacou os eventos como a ONC como um jeito diferente de aprender ciências.

“É uma forma diferente de aprender ciências, estimulá-los a vencer desafios participando de uma olimpíada nacional. Ter contato com questões formuladas por outras instituições e compreender o significado de que o que estão estudando lhes será cobrado em outros lugares. Compreender que o conhecimento que constroem no cotidiano da escola é para a vida. Participar de uma olimpíada nacional é interagir com estudantes de outras escolas, mesmo que seja por uma disputa por um resultado na olimpíada”, ressaltou.

Entre as diferentes maneiras de abordar o conteúdo de ciências com os estudantes, a professora destacou o ensino por investigação, o debate, as visitas técnicas, aulas de campo, atividades práticas, metodologias ativas, a observação, dinâmicas, entre outras.

Na Emef, a professora de Ciências do vespertino, Márcia Gabriel Santos e a pedagoga Vanusa Pereira dos Santos também estimularam os estudantes a participar da olimpíada.

Equipe

A prova é sobre ciências, mas para organizar a participação dos estudantes da Emef Arthur Costa e Silva na ONC, o professor Lucas Maia contou com o apoio da escola: direção, pedagogas, coordenadores e demais professores. Alguns dos estudantes inscritos, inclusive, realizaram a prova no laboratório de informática da escola.

“Compartilhei o conteúdo programático com os estudantes que tiveram interesse em participar, forneci algumas dicas e direcionamentos para eles realizarem os estudos e coloquei-me à disposição para sanar quaisquer dúvidas que tivessem ao longo do estudo e da preparação para ONC”, contou ele.

O professor Lucas lembrou que ao longo dos últimos dois anos, principalmente com a pandemia da COVID-19, a sociedade viu a importância da ciência nas nossas vidas. Para ele, desenvolver esse olhar e esse entendimento científico nas pessoas é primordial para entender como as coisas funcionam e não cair em informações falsas, que muitas vezes podem ser perigosas.

“Competições científicas, como a ONC, têm o objetivo de estimular o interesse pela ciência, aproximar conceitos científicos, muitas vezes estudado em grandes centros de pesquisas, da população em geral, além disso, identificar estudantes com potencial para área”, disse Lucas.

Inclusão

Ao assumir o cargo de professor de Ciências na Emef Orlandina, o professor Victor Hugo planejou, desde o início deste ano letivo, inscrever os estudantes na prova.

“Esse trabalho vem sendo desenvolvido com a mobilização e o apoio de vários profissionais, desde as coordenadoras, auxiliando na organização dos horários para a utilização do laboratório de informática, até as pedagogas, os professores da Educação Especial, de Informática e de História e Matemática, incentivando os estudantes a participarem e mostrando para eles a importância de um evento de proporções nacionais como esse”, contou ele.

A dedicação ao incluir todos os estudantes da unidade de ensino na atividade deu resultado: dos quatro classificados para a próxima etapa, uma estudante é atendida pela Educação Especial.

“Estamos fazendo um trabalho interdisciplinar com Ciências, História e Matemática, utilizando provas anteriores e baseados no conteúdo programático para esta fase”, disse o professor.

ONC

A Olimpíada Nacional de Ciências (ONC) é organizada pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) e integra o programa Ciência na Escola, com realização de cinco Sociedades Científicas: a Sociedade Brasileira de Física (SBF) a Associação Brasileira de Química (ABQ) o Instituto Butantan, a Sociedade Astronômica Brasileira e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Na primeira fase, os estudantes responderam a questões de múltipla escolha, já nesta sexta, a prova será baseada em questões subjetivas, ou seja, eles precisarão responder por extenso, tirar foto e enviar via plataforma própria, indicada pela organização da ONC.

Emef Álvaro de Castro Mattos
9º ano
Giovanna Barros Barcellos Bicalho
Felipe Ferreira Laporte
Ivan Domingos Ferreira
João Vitor Cordeiro Curto
Maria Albuquerque Madeira da Fonseca
Maria Clara Durço Gonçalves
Milena Stiba Freitas
Murilo Marinho Lupim Santos
Paulo Rafael de Andrade Santana
Rafael Paulino Rocon
Sarah Fanzeres Tozato Honorato

Emef Arthur da Costa e Silva
9º ano

Larissa Aparecida Costa Pinheiro
8º ano
Emanuel Donadia Bernabé
Rhayssa Santos Nascimento

Emef Orlandina D’Almeida Lucas
8º ano
Lucas Barbosa Rodrigues
7º ano
Jessica Lopes Barbosa
Kauanny Silva Damaceno Cunha
Williana Ketllen Borges Pereira

Leia também:

Governo anuncia investimentos de R$ 50 milhões nas escolas
Cariacica realiza Projeto de Alfabetização em algumas escolas
Prazo para pedir reaplicação do Encceja 2020 até hoje (27)
Aprender Valor: Linhares inicia a Avaliação de Diagnóstico
Prefeitura de Guarapari anuncia retorno das aulas do berçário
Sedu anuncia mudanças para Novo Ensino Médio Capixaba
Vila Velha inicia projeto de contação de histórias nas escolas
Profissionais das escolas de Vitória encontram soluções criativas
Inscrições abertas para apoio de projetos educacionais no ES
Vitória convoca 329 profissionais para atuar na Rede de Ensino
Prefeitura de Vila Velha oferece Curso de Libras para servidores
Vitória está com 1.961 vagas disponíveis para Educação Infantil
Educação financeira vai ajudar alunos e famílias de Vila Velha
Qualificar ES abre mais 5 mil novas vagas para cursos on-line
Professores da EJA terão formação sobre o Mundo do Trabalho
Marcopolo oferece cursos para comunidades de São Mateus

TAGS:
ENCCEJA | EJA | AULAS | PROFESSOR | PROUNI | SISU | EDUCAÇÃO | ENEM | ESCOLAS | ENSINO