Atividade industrial da China recua com gargalos de oferta

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, oficial do país caiu a 51,1 em abril de 51,9 em março.

Em 30/04/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Funcionária em fábrica de Hangzhou, na China/Reuters

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial para a indústria do país caiu a 51,1 em abril de 51,9 em março, mostraram dados da Agência de Estatísticas nesta sexta-feira.

O crescimento da atividade industrial da China desacelerou e ficou abaixo das expectativas em abril, uma vez que gargalos de oferta e aumento dos custos pesaram sobre a produção e a demanda externa perdeu força.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial para a indústria do país caiu a 51,1 em abril de 51,9 em março, mostraram dados da Agência de Estatísticas nesta sexta-feira.

Ele permaneceu acima da marca de 50 que separa crescimento de contração, mas ficou abaixo dos 51,7 esperados em pesquisa da Reuters com analistas.

“Algumas empresas consultadas informam que problemas como escassez de chips, de logística internacional, escassez de contêineres e aumento das taxas de frete ainda são graves”, disse o estatístico da agência Zhao Qinghe em comunicado.

Esse resultado contrastou com uma pesquisa do setor privado, também divulgada nesta sexta-feira, que mostrou que a atividade industrial expandiu em abril no ritmo mais forte em quatro meses, embora as empresas também tenham comentado sobre forte alta nos custos dos insumos.

O PMI do Caixin/Markit subiu a 51,9 em abril de mínima em 11 meses de 50,6 em março, superando a expectativa de analistas de 50,8.

“Com a economia já acima de sua tendência pré-vírus e a postura de política monetária de menos suporte, o ímpeto do crescimento vai diminuir este ano”, disseram analistas da Capital Economics em nota sobre o PMI.

No setor de serviços, a atividade expandiu pelo 14º mês seguido, mas a um ritmo mais lento, pressionado pelo subíndice de atividade da construção.

O PMI oficial do setor caiu a 54,9 de 56,3 em março. (Por Colin Qian e Gabriel Crossle  - Reutersy)

TAGS
ECONOMIA | EUA  | CHINA  | BRASIL | INDÚSTRIA  | POLÍTICA | SAÚDE | EMPREGOS