Bolsonaro: Batem em mim porque venda de armas é recorde

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o armamento da população nesta segunda.

Em 01/08/2022 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: fdr

 Bolsonaro costuma dizer que a concessão dos certificados tirou os assentados do lado do MST e os levou a apoiar o governo. 

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a defender o armamento da população nesta segunda-feira, 1º, ao dizer que quer facilitar ainda mais a venda de armas no Brasil. A apoiadores, o chefe do Executivo também exaltou o aumento do número de Colecionadores de armas, atiradores e caçadores (CACs) durante seu governo e criticou o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

"Tirei dinheiro de ONGs que financiavam os cabeças do MST. Estamos facilitando bastante também a questão do armamento. Propriedade privada é privada, ninguém pode invadir", declarou Bolsonaro.

O presidente também ressaltou a entrega de títulos de terra. Bolsonaro costuma dizer que a concessão dos certificados tirou os assentados do lado do MST e os levou a apoiar o governo. 

"A imprensa bate em mim porque eu estou batendo recorde de venda de armas. Sim. Quero facilitar mais ainda. Quanto mais armas, mais segurança", continuou o presidente. "Lá atrás, em 2004, 2005, fizeram o Estatuto do Desarmamento para desarmar o cidadão de bem. A bandidagem começou a ficar cada vez mais armada. Como é que está a vagabundagem agora no Rio?", questionou.

Bolsonaro também exaltou o crescimento dos CACs no País. Segundo ele, o número dobrou em três anos e meio de governo. Como mostrou o Estadão, esses grupos se articulam para formar uma bancada no Congresso a partir do ano que vem. Também está nos planos a criação de um partido político. Bolsonaro tem recebido lideranças e pré-candidatos do movimento no Palácio do Planalto.

Ao conversar com um apoiador por chamada de vídeo, Bolsonaro disse que espera aprovar um dia o excludente de ilicitude, que é visto por críticos como uma espécie de "carta branca" para policiais que matam em serviço.

"Cumpriu a missão, tem que receber medalha e não uma intimação", afirmou o presidente. (Esadão Conteúdo)

Leia também:

Bolsonaro no ES: Contarato pede rigor dos órgãos de trânsito
Presidente diz que quer transparência no sistema eleitoral
Eleitor já pode informar à Justiça Eleitoral onde irá votar
Brasil tem 156,4 milhões aptos a votar nas próximas eleições
Defesa questiona urnas e quer teste com cédula de papel
TCU conclui que sistema eletrônico de votação é seguro
Congresso reserva R$19 bi para orçamento secreto em 2023
Congresso Nacional aprovou hoje o texto-base da LDO 2023
Congresso derruba vetos de Bolsonaro a lei Aldir Blanc
Pacheco decide instalar CPI do MEC com início após eleições
Senado pode votar hoje PEC sobre preço dos combustíveis

TAGS:
JAIR BOLSONARO | ARMAMENTO | VENDA | POPULAÇÃO | PRESIDENTE