Bolsonaro negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Segundo Bolsonaro, há um processo de inflação generalizada que não afeta apenas o Brasil.

Em 21/01/2022 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: © Reprodução Youtube

Além dos impostos federais, a comercialização de combustíveis também paga o Imposto sobre ICMS, que é um tributo estadual, e por isso, não seria abrangido por uma eventual aprovação da proposta anunciada por Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (20) que negocia a apresentação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para permitir a redução a zero da incidência de tributos federais sobre combustíveis. O texto ainda não foi disponibilizado, mas os alvos da redução seriam a contribuição do Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep) e a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

"Nós temos uma Proposta de Emenda à Constituição, que já está sendo negociada com a Câmara e o Senado, para termos a possibilidade de praticamente zerar os impostos dos combustíveis, o PIS e a Cofins", afirmou durante sua live semanal nas redes sociais. O presidente está no Suriname, onde faz uma visita oficial. 

Segundo Bolsonaro, há um processo de inflação generalizada que não afeta apenas o Brasil. Em 2021, a gasolina acumulou alta de 47,49% e o etanol, de 62,23%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já o diesel teve alta de cerca de 47% no mesmo período.   

Além dos impostos federais, a comercialização de combustíveis também paga o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é um tributo estadual, e por isso, não seria abrangido por uma eventual aprovação da proposta anunciada por Bolsonaro. Com a mudança constitucional, o governo não seria obrigado a compensar a redução dos impostos sobre combustíveis com a elevação de outros tributos, como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O governo não deu estimativa sobre quanto custaria zerar os tributos federais sobre os combustíveis.

Em 2018, após a greve de caminhoneiros, o então governo de Michel Temer zerou impostos federais sobre o diesel, mas por meio de decreto e com compensação orçamentária correspondente por meio do aumento de outros impostos. Entre março e abril do ano passado, o governo Bolsonaro suspendeu a cobrança de impostos sobre o diesel, decisão que foi compensada com a elevação da carga tributária em outros setores. (Por Pedro Rafael Vilela/Agência Brasil)

Leia também:

Lula e Sergio Moro sobem o tom a 9 meses da eleição
Jair Bolsonaro cogita ministra Damares Alves para Senado
Bolsonaro admite problemas para a reeleição e pede união
Centrão não garante o apoio a bolsonaristas nos Estados
Eleições: Bolsonaro diz que pretende ir a todos os debates
"Se pudesse, ficaria livre da Petrobras", diz Jair Bolsonaro
Bolsonaro volta culpar política do "fique em casa" por inflação
Randolfe apresenta pedido de nova CPI da Covid no Senado
PT quer abrir CPI para investigar apagão de dados da Saúde
Jair Bolsonaro pretende indicar vice-presidente ao Centrão

TAGS:
BOLSONARO | INFLAÇÃO | PEC | COFINS | IMPOSTOS