Caso envolvendo Flávio Bolsonaro pode prorrogar CPI da covid

A reportagem mostra uma troca de e-mails entre Stelvio Bruni Rosi e o Flávio Bolsonaro.

Em 27/08/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Stelvio Bruni Rosi tentava marcar reunião com Flávio Bolsonaro e representantes do laboratório Vaxxinity, fabricante de um imunizante contra a covid-19, que não tem aprovação de nenhuma autoridade sanitária do mundo.

A cúpula da CPI da Covid-19 estuda prorrogar a apresentação do relatório final depois de ISTOÉ revelar indícios fortes da participação do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) num suposto esquema de favorecimento envolvendo compra de vacinas. O documento seria lido aos membros da comissão em 16 de setembro.

A reportagem mostra uma troca de e-mails entre o dono de uma pousada, Stelvio Bruni Rosi, e o senador Flávio Bolsonaro. Na mensagem, Rosi tentava marcar uma reunião com o parlamentar e representantes do laboratório Vaxxinity, fabricante de um imunizante contra a covid-19 – que não tem aprovação de nenhuma autoridade sanitária do mundo. O processo teve andamento no Ministério da Saúde, e em caráter reservado.

“O escândalo envolvendo Flávio tem semelhanças com casos investigados pela CPI”, afirma o senador Humberto Costa (PT-PE), titular da comissão. “O caso chama a atenção por vários aspectos nebulosos, mas o que mais salta aos olhos são as inúmeras semelhanças de irregularidades que este caso guarda em relação aos outros escândalos que já estão sendo investigados pela CPI no Senado”.

Outro fator que fez com que os senadores passassem a discutir a possibilidade de esticar a apresentação do relatório foram os depoimentos colhidos pela CPI nesta semana.

Em depoimento prestado nesta quinta-feira (26), José Ricardo Santana, ex-secretário-executivo da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), vinculada à Anvisa, ficou em silêncio quando questionado sobre quem seria “o senador” que aparece citado em mensagens que ele trocou com o advogado Marconny Albernaz, apontado como lobista da Precisa.

No texto, em posse da CPI, Santana afirma a Albernaz que ele e o coronel Marcelo Blanco, ex-assessor de Roberto Dias no Ministério da Saúde, teriam uma reunião com “um senador” para “desatar o nó” no processo de negociação de testes de covid-19.

Reservadamente, a cúpula da comissão tem duas suspeitas de quem seja o tal senador. Uma delas seria justamente o filho 01 do presidente Jair Bolsonaro. (Por Ricardo Chapola - IstoÉ)

Leia também:

Centrão já admite derrota de Bolsonaro no primeiro turno
Senado aprova recondução de Augusto Aras à PGR por 55 a 10
Brasil Verde é apresentado no Fórum dos Governadores
Doria nomeia Rodrigo Maia para secretaria no governo de SP
Avaliação negativa do governo Bolsonaro atinge maior nível
Estados expressam apoio ao STF sobre ataques de Bolsonaro
Congresso manobra para liberar R$ 7 bi a partidos em 2022
Casagrande e Zema avaliam acordo sobre tragédia de Mariana
Parte da elite se afastou de Bolsonaro e não entra em aventura
Com 437 votos, Câmara cassa mandato da deputada Flordelis
PEC do voto impresso é rejeitada pelo plenário da Câmara
Militares devem deixar de lado loucuras de Bolsonaro, diz Renan
Operação Formosa: Por que blindados do Rio estarão Brasília
Bolsonaro receber tanques em Brasília é ameaça de golpe
Comissão especial da Câmara rejeita PEC do Voto Impresso
Estados pedem apoio do governo no combate à variante Delta
Senado aprova PLC para ICMS sobre venda em outro estado
Produção de serviços tem maior expansão em 8 anos, diz PMI
Trabalho remoto gerou economia de R$ 1,4 bilhão no Executivo

TAGS: 
CPI DA COVID | CORRUPÇÃO | CONGRESSO | PGR | STF | IMPEACHMENT | INVESTIGAÇÃO | ELEIÇÕES | POLÍTICA