Consumo das famílias tem queda de 1,13% em setembro

Consumo das famílias registrou queda em setembro ante o mesmo mês de 2020, diz Abras.

Em 12/11/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: © Reuters/Pilar Olivares/Direitos Reservados

Segundo o vice-presidente Administrativo e Institucional da Abras, Marcio Milan, apesar da queda no mês, a entidade mantém a previsão de crescimento de 4,5% em 2021 devido aos bons resultados da imunização contra a covid-19.

O consumo das famílias teve queda de 1,13% em setembro na comparação com o mesmo mês de 2020, segundo levantamento divulgado hoje (12) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). No acumulado dos nove primeiros meses do ano, entretanto, o Índice Nacional de Consumo nos Lares Brasileiros registrou alta de 3,13%

Segundo o vice-presidente Administrativo e Institucional da Abras, Marcio Milan, apesar da queda no mês, a entidade mantém a previsão de crescimento de 4,5% em 2021 devido aos bons resultados da imunização contra a covid-19.

“A vacinação hoje está bastante avançada. A economia praticamente destravada nos seus negócios”, ressaltou.

Expectativas para o Natal

Para o Natal, a expectativa de 51% dos empresários do setor de supermercados é que haja crescimento nas vendas em relação ao ano passado. Enquanto 39% esperam que o movimento fique no mesmo patamar de 2020.

Entre os que esperam um fim de ano melhor do que o anterior, 52% estima que o aumento das vendas chegue a 17%. Há também uma previsão de abertura de vagas de emprego, com 41% dos empresários dizendo que vão fazer contratações temporárias para atender à demanda do Natal. A estimativa da Abras é que sejam abertos 30 mil postos de trabalho sazonais.

Para Milan, com as medidas restritivas contra a disseminação do novo coronavírus chegando ao fim, as comemorações deste ano devem ser maiores, com reunião de famílias e amigos.

“Nós tínhamos muitas restrições em dezembro do ano passado. Este ano vamos estar praticamente liberados. Ou seja, as famílias vão estar comemorando mais”, disse.

Inflação

Entre os 35 produtos mais consumidos em supermercados, o café teve o maior aumento de preços em 2021, com inflação acumulada de 33,9% até setembro. O açúcar registra alta de 30,3% e o ovo de 22,5%. Esse conjunto de produtos custou, em média, R$ 684,99 em setembro, uma elevação de 1,37% na comparação com agosto e de 18,84% em 12 meses.

Segundo Milan, a alta da inflação acontece em uma conjuntura internacional de elevação de preços, além de questões pontuais, como a geada que afetou a produção de café no Brasil. (Por Daniel Mello/Agência Brasil)

Leia também:

IBGE: setor de serviços tem uma queda de 0,6% em setembro
Confiança do empresário industrial cai pelo 3º mês seguido
Setor de Serviços cai em setembro após cinco altas seguidas
The Economist diz que Bolsonaro é ruim para a economia
IBGE: vendas no comércio têm redução de 1,3% em setembro
Abate de suínos aumenta, mas de bovinos cai no 3º trimestre
O Banco Central promove alteração na Diretoria Colegiada
> Governo quer o INSS como único gestor de aposentadorias
Índice Nacional da Construção Civil sobe 1,01% em outubro
Produção Industrial recua em nove dos 15 locais pesquisados

TAGS:
CONSUMO | FAMÍLIAS | ECONOMIA | EXPECTATIVAS | SUPERMERCADOS