Conta de luz seguirá na bandeira vermelha 2 em setembro

Com isso, o custo de cada 100 kilowatt-hora (kWh) consumido continua sendo de R$9,492.

Em 28/08/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: © Marcello Casal jr/Agência Brasil

Em períodos de seca, e consequente baixa nos níveis dos reservatórios, é necessário captar energia de outros tipos de usina, como as termelétricas.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu, ontem (27), manter a bandeira vermelha, patamar 2, para o mês de setembro. Com isso, o custo de cada 100 kilowatt-hora (kWh) consumido continua sendo de R$9,492. Segundo a agência, o mês de agosto, que está chegando ao fim, manteve o estado crítico dos reservatórios das usinas hidrelétricas do país. 

"Agosto foi mais um mês de severidade para o regime hidrológico do Sistema Interligado Nacional (SIN). O registro sobre as afluências às principais bacias hidrográficas continuou entre os mais críticos do histórico. A perspectiva para setembro não deve se alterar significativamente, com os principais reservatórios do SIN atingindo níveis consideravelmente baixos para essa época do ano", informou a Aneel.

Em períodos de seca, e consequente baixa nos níveis dos reservatórios, é necessário captar energia de outros tipos de usina, como as termelétricas. Esse tipo de usina gera energia a partir de combustíveis fósseis, como diesel e gás. Além de ser mais poluente, é mais cara. Por isso, quando as termelétricas são acionadas, o custo da geração de energia aumenta e a bandeira tarifária muda.

Dentre as dicas trazidas pela Aneel para reduzir o valor da conta de luz, estão o uso racional do chuveiro elétrico (banhos de até 5 minutos e em temperatura morna); do ar condicionado (manter os filtros limpos e reduzir ao máximo seu tempo de utilização); da geladeira (só deixar a porta da geladeira aberta o tempo que for necessário, regular a temperatura interna de acordo com o manual de instruções e nunca colocar alimentos quentes dentro da geladeira); e do ferro de passar (juntar roupas para passar de uma só vez e começar por aquelas que exigem menor temperatura). (Por Pedro Rafael Vilela -  Agência Brasil)

Leia também:

Norte e Centro-Oeste têm recuperação econômica intensa
Produção do pré-sal bateu recorde em julho, informa ANP
Inflação se espalha e já castiga famílias de todas as faixa
Fazenda Nacional abre parcelamento de dívida ativa do FGTS
Pelo 4º mês, confiança está em alta nos 30 setores da indústria
Retomada do varejo físico inibe comércio eletrônico no Brasil
Inflação dispara e deve ser a maior desde governo Dilma
ONS vê alta de 3,4% na carga de energia do Brasil em agosto
Alta na produção e no emprego reflete retomada da indústria
Pequenas indústrias evoluiram no 2º trimestre, diz CNI
Preço da cesta básica sobe 22% e encosta no salário mínimo
Inflação de julho aumenta1,12% para todas as faixas de renda

TAGS:
VAREJO | PARCELAMENTO | FGTS | DÍVIDAS | INFLAÇÃO | EMPREGO | ECONOMIA | PRODUÇÃO | INDUSTRIA | SELIC