CPI pede ao STF a condução coercitiva de Marconny Faria

O depoente apresentou um atestado médico de 20 dias. O documento, porém, é contestado. 

Em 02/09/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Pedro França / Agência Senado

Lobista Marconny Faria apresentou atestado médico para não ir a comissão, mas documento é contestado.

A CPI da Covid solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condução coercitiva de Marconny Faria, o depoente desta quinta-feira (02), caso ele não apareça na comissão, informou a CNN Brasil. O pedido será analisado pela ministra Cármen Lúcia e, se aceito, o depoente deve ser levado ao colegiado mesmo contra a sua vontade.

Marconny chegou a pedir na Suprema Corte que fosse dispensado da oitiva, mas Cármen Lúcia apenas o autorizou a ficar em silêncio para perguntas incriminatórias e negou o pedido para dispensá-lo do depoimento.

Ainda assim, o depoente apresentou um atestado médico de 20 dias. O documento, porém, é contestado. 

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), questionou o responsável pelo atestado, o cirurgião plástico Audrien de Lucca. De acordo com o médico, o atestado de Marconny vale apenas para atividades de trabalho. “O conteúdo do atestado está claro que o motivo do repouso do paciente é apenas para fins laborais e vou me comunicar com o jurídico do hospital para poder me orientar como cancelar o atestado sem ferir o código de ética médica”, informou de Lucca respondendo Aziz.

Risco de prisão

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI, é disse que irá pedir a prisão preventiva de Marconny Faria se ele não comparecer ao depoimento. Se isso ocorrer, o lobista pode ser considerado foragido, com a possibilidade de que a Interpol seja acionada para proceder à prisão, caso não mais esteja no Brasil.

Ainda segundo o parlamentar, a Polícia Legislativa foi acionada para providenciar a "condução sob vara" do suposto lobista. A chamada condução sob vara é uma prerrogativa da CPI, similar à condução coercitiva.

"Acabamos de oficiar a Polícia Legislativa do Senado para que dê cumprimento à ação, ou seja, conduza o senhor Marconny à Comissão Parlamentar de Inquérito. Caso ele não seja localizado, eu requisitarei a determinação à autoridade judicial da 1ª instância, a sua prisão preventiva e, automaticamente, a comunicação à Interpol para eventual evasão dele do território nacional", afirmou Randolfe.

Conheça o depoente 

Marconny Faria é conhecido como o lobista que teria atuado como intermediário dos interesses da Precisa Medicamentos. A empresa está envolvida na negociação de vacinas Covaxin para o Ministério da Saúde, sobre a qual a CPI investiga diversas irregularidades e sobrepreço.

Plano B

O ex-secretário de Saúde do Distrito Federal Francisco Araújo Filho está no Senado e pode ser ouvido pela CPI ainda hoje, caso Marconny Faria não compareça ao depoimento.

Francisco Araújo foi preso em agosto de 2020 durante a Operação Falso Negativo. A investigação abarcou ilicitudes na aquisição de testes rápidos para detecção da covid-19 para a rede pública de saúde local. (*Com informações da Agência Senado)

Leia também:

CPI vai ao STF contra decisão que anulou prisão de Roberto Dias
Voto de confiança foi dado, mas não foi retribuído, diz Abag
Lula chama Bolsonaro de tresloucado: "O País precisa de paz"
Caso envolvendo Flávio Bolsonaro pode prorrogar CPI da covid
Centrão já admite derrota de Bolsonaro no primeiro turno
Senado aprova recondução de Augusto Aras à PGR por 55 a 10
Brasil Verde é apresentado no Fórum dos Governadores
Doria nomeia Rodrigo Maia para secretaria no governo de SP
Avaliação negativa do governo Bolsonaro atinge maior nível
Estados expressam apoio ao STF sobre ataques de Bolsonaro
Congresso manobra para liberar R$ 7 bi a partidos em 2022
Casagrande e Zema avaliam acordo sobre tragédia de Mariana

TAGS: 
CPI DA COVID | CORRUPÇÃO | OMAR AZIS | PGR | STF | IMPEACHMENT | INVESTIGAÇÃO | ELEIÇÕES | POLÍTICA