Espírito Santo receberá 60 mil kits de testes de covid-19

Doação feita pela Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde.

Em 23/02/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Pixabay

O anúncio foi feito ontem (22) pelo secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, em coletiva de imprensa.

O Governo do Estado receberá, nesta semana, a doação de 62.400 mil unidades de kits de testes de captura de antígeno, uma metodologia de exame imunocromatográfico rápido, que avalia a presença de proteínas virais do SARS-CoV-2 no organismo, para auxiliar no enfrentamento à pandemia e investigação de casos de infecção pelo novo Coronavírus (covid-19).

A doação é feita pela Organização Pan-Americana da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde e será entregue à Secretaria da Saúde (Sesa), que realizará a distribuição a toda rede hospitalar própria, aos pontos de atenção de urgência e emergência pré-hospitalar e aos municípios, além de realizar os treinamentos nos municípios e na rede de atenção para iniciar a incorporação da testagem no Estado.

O anúncio foi feito ontem (22) pelo secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, em coletiva de imprensa.

“O Estado passará a incorporar os testes de captura de antígenos na investigação dos casos suspeitos de Covid-19. É um teste que possibilita que o resultado da investigação da suspeita clínica possa ocorrer em até 30 minutos após a coleta do SWAB nasal. Isso permitirá que toda dúvida diagnostica, especialmente de casos mais graves atendidos nas redes de urgência e emergência, possam ter diagnóstico rápido e oportuno, podendo dirigi-los à internação em unidades de referências aos pacientes respiratórios”, destacou o secretário.

Na rede Estadual, a testagem de captura de antígeno tem início esta semana. Ainda segundo o secretário Nésio Fernandes, o Estado está realizando também a licitação de 250 mil testes de antígeno para reforçar a sua incorporação na Atenção Primária em Saúde.

“Estamos atualizando a agenda de resposta rápida da Atenção Primária em Saúde. Preparamos uma nova condição, com atualizações de estratégias para enfrentar a sazonalidade das doenças respiratórias, para que possamos trabalhar com condições diferentes daquelas que tínhamos de disponibilidade tecnológica no início da primeira onda”, disse. (Com informações da Assessoria de Comunicação da Sesa)