Ex-técnico do United faz alerta sobre casos demência

Alex Ferguson defende que cabeceio seja reduzido durante treinamentos.

Em 05/01/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Reuters/ Andrew Yates/ Direitos Reservados

O ex-técnico do Manchester United Alex Ferguson disse que é seu dever pessoal e responsabilidade do futebol lidar com o problema de demência que tem afetado vários ex-jogadores.

A questão da demência no futebol profissional foi desencadeada pela morte do inglês Nobby Stiles em outubro e houve apelos para que o problema das lesões na cabeça no esporte receba mais atenção.

Stiles e muitos de seus companheiros de equipe, vencedores da Copa do Mundo de 1966, foram diagnosticados com demência antes de morrerem, enquanto o astro Bobby Charlton também revelou seu diagnóstico recentemente.

"Tem sido muito triste. Bobby não está bem há um tempo. A porteira foi aberta com a morte de Nobby e o diagnóstico de Bobby. São números enormes. É preciso criar uma consciência", disse Ferguson ao Daily Mail. "Não sei o que a Associação de Jogadores Profissionais (PFA) está fazendo, mas a Associação dos Técnicos está preocupada e (o presidente-executivo) Richard Bevan tem sido fantástico", afirmou. "Temos que ver o que podemos fazer para ajudar. O futebol tem o dever de olhar para a situação... Pessoas como eu devem isso ao esporte.”

Tem havido pedidos generalizados para reduzir o cabeceio durante as sessões de treinamento.

"Cabeceio é uma parte do futebol que existe há mais de 100 anos e você não pode eliminá-lo", disse Ferguson. "Mas acho que seria fácil reduzir no treinamento."

(Por Shrivathsa Sridhar - Bengaluru)