Janeiro Roxo alerta sobre a prevenção contra a hanseníase

Diagnóstico da hanseníase pode ser confirmado por um exame clínico da pele e dos nervos.

Em 24/01/2023 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Divulgação/Governo de Sergipe

De acordo com a dermatologista da Rede Meridional, Luana Vieira Mukamal, a hanseníase é uma doença milenar, infectocontagiosa, transmitida por uma bactéria, o Mycobacterium leprae, e ainda assusta muita gente.

A hanseníase é uma doença crônica e transmissível, que atinge os nervos e a pele, causada por uma bactéria que se multiplica lentamente, levando a sintomas que podem demorar até 20 anos para aparecer. Entre os efeitos mais comuns da doença estão deformidades nas mãos e nos pés e até perda de visão.

No Brasil, cerca de 30 mil novos casos da doença são detectados todos os anos. Dados apontam que o Brasil concentra 90% dos casos na América Latina e ocupa o 2º lugar no ranking mundial, atrás apenas da Índia. Os portadores são vítimas do preconceito e da falta de informação.

Por isso o mês de janeiro é dedicado a campanha Janeiro Roxo, para a prevenção contra a hanseníase.


Luana Vieira Mukamal, é dermatologista da Rede Meridional. Foto: Divulgação/Rede Meridional

Alguns mitos sobre a doença são que ela não tem cura e que o paciente em tratamento transmite a doença. E como verdade, a falta de tratamento pode levar a aparição de caroços e inchaços nas partes mais frias do corpo, como orelhas, mãos, cotovelos e pés.

A hanseníase é milenar e ainda assusta muita gente. De acordo com a dermatologista da Rede Meridional, Luana Vieira Mukamal, é uma doença infectocontagiosa, transmitida por uma bactéria, o Mycobacterium leprae. A contaminação ocorre pela secreção da nasofaringe semelhante a um resfriado, atingindo a pele e os nervos periféricos. Tem cura, mas ainda é estigmatizada.

Entre os principais sintomas da doença estão manchas brancas ou avermelhadas pelo corpo com alteração de sensibilidade. Pode ocorrer também perda dos pelos e caroços na pele, a face pode se tornar inchada. 

“O comprometimento dos nervos periféricos gera formigamentos, diminuição da sensibilidade e paralisias nas mãos e pés. "O paciente com a sensibilidade prejudicada pode se ferir sem perceber no dia a dia, gerando ferimentos que podem levar à perda de fragmentos das mãos e pés e à perda de função dessas partes do corpo. Esses acontecimentos levam a deformidades e incapacidades”, explicou Luana.

O diagnóstico da doença pode ser confirmado por um exame clínico/dermatológico da pele e dos nervos. Em alguns casos são necessários baciloscopia e biópsia da pele. 

Já o tratamento consiste na administração de antibióticos, chamada poliquimioterapia, que é altamente eficaz quando tomada corretamente. É fornecido gratuitamente pelo SUS. O tempo do tratamento vai depender da gravidade da situação. Casos leves necessitam de seis meses de tratamento, casos mais intensos levam algo em torno de12 meses.

A médica alerta ainda que a doença pode deixar sequelas nas mãos, pés e olhos. “Por isso é muito importante o diagnóstico e tratamento precoces para que o paciente tenha a melhor evolução possível. Uma equipe multidisciplinar é muito importante para ensinar ao paciente a se cuidar e prevenir as incapacidades”, avaliou. (Por Cristiane de Souza/AsImp)

Leia também:

Covid-19: Cariacica realiza vacinação em crianças até 11 anos
Câncer de colo de útero: o papel da vacinação e de exames
Ministério da Saúde recebe 7,7 milhões de doses de Pfizer
Verão 2023: praias de Linhares têm plantão médico 24 horas
Anvisa anuncia novas restrições de produtos para cabelo
Saúde recebe doses de antiviral para tratamento contra covid
Vila Velha abre agendamento para vacinação nesta sexta
Vacinação: confira onde se imunizar em Vitória neste sábado
Prefeitura de São Mateus vai construir US no bairro Liberdade
Cachoeiro: Praça recebe ação do Janeiro Branco na sexta (20)
Vila Velha implanta Estratégia de Saúde da Família nas US

TAGS:
HANSENÍASE | DIAGNÓSTICO | EXAMES | DERMATOLOGISTA | CLÍNICO