Nova Zelândia suspende restrições por covid, exceto Auckland

Foi o que afirmou nesta segunda-feira (6) a primeira-ministra neozelandesa Jacinda Ardern.

Em 06/09/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: POOL/AFP/Arquivos

A cidade de Auckland, a mais populosa do país, prosseguira em confinamento severo por pelo menos outra semana.

A Nova Zelândia suspenderá esta semana o confinamento nacional decretado para controlar um surto de covid-19, com exceção em Auckland, epicentro de quase todas as infecções recentes, afirmou nesta segunda-feira (6) a primeira-ministra Jacinda Ardern.

Quase três milhões de neozelandeses não serão mais obrigados a permanecer em casa a partir da madrugada de segunda-feira para terça-feira, e as escolas retomarão as aulas na quinta-feira após três semanas, afirmou disse Ardern.

Porém, a cidade de Auckland, a mais populosa do país, prosseguira em confinamento severo por pelo menos outra semana.

Ardern afirmou que o progresso é positivo, mas que a contagiosa variante delta “muda as regras do jogo”, o que significa que as restrições não podem ser flexibilizadas rapidamente.

No restante do país, as limitações prosseguirão, incluindo o uso obrigatório de máscara ou reuniões com no máximo 50 pessoas.

O foco de covid-19 acabou com seis meses sem contágios locais na Nova Zelândia. (AFP)

Leia também:

Nova Zelândia prolonga restrição nacional por foco de covid
Caçaremos vocês e faremos pagar, é o recado de Biden ao EI
Compromisso com a Ásia: Kamala Harris visita o Vietnã
Líderes do G7 se reúnem na terça para discutir Afeganistão
Merkel faz sua última visita a Putin em plena crise afegã
EUA aplicam vacinas de reforço contra covid-19 em setembro
Afeganistão: Aprovação de Biden cai com domínio do Talibã
Nova Zelândia teme por alta de casos de covid-19 no país
Nova Zelândia anuncia restrições de três dias contra covid-19
Biden defende retirada de tropas dos EUA do Afeganistão
Com saída dos EUA, China e Rússia dialogam com Talibã

TAGS:
JACINDA HARDEN | NOVA ZELÂNDIA | AUCKLAND | AFEGANISTÃO | ARMAS | JOE BIDEN | CLIMA | MEIO AMBIENTE