Queda da expectativa piora clima econômico na América Latina

O ISA registrou uma pequena queda de 1,1 ponto, ao passar de 59,1 pontos para 58 pontos.

Em 23/11/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: © Marcello Casal jr/Agência Brasil

O ICE é medido pela média geométrica entre o Indicador da Situação Atual (ISA) e o Indicador de Expectativas (IE).

O Indicador de Clima Econômico da América Latina (ICE), divulgado hoje (23) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), mostra que o resultado do quarto trimestre interrompeu a recuperação que vinha sendo observada desde o segundo trimestre de 2020. O índice, que havia passado para a zona de clima econômico favorável, com 101,4 pontos na sondagem do terceiro trimestre, recuou 20,8 pontos no quarto trimestre.

“O clima econômico da América Latina piorou e passou para a zona de avaliação desfavorável liderado pela piora das expectativas que se aproximaram da zona limite entre avaliações favoráveis e desfavoráveis”, informou o Ibre/FGV.

O ICE é medido pela média geométrica entre o Indicador da Situação Atual (ISA) e o Indicador de Expectativas (IE). O ISA registrou uma pequena queda de 1,1 ponto, ao passar de 59,1 pontos para 58 pontos e continua na zona desfavorável. Mas o que influenciou a queda desse trimestre foi o resultado do IE que despencou 45,5 pontos, ao passar de 150,6 pontos no terceiro trimestre para 105,1 pontos no quarto trimestre.

Pandemia

Segundo o Ibre/FGV, essa é a segunda maior queda entre duas sondagens consecutivas desde o início da série histórica, em janeiro de 1989. Antes, a maior queda no valor de 58,8 pontos foi entre o primeiro e o segundo trimestre de 2020 associada às expectativas pessimistas e incertezas trazidas pela pandemia da covid-19.

De acordo com a análise, nesse último trimestre do ano de 2021, a questão da pandemia, embora ainda causadora de incertezas e com resultados distintos em termos de imunização entre os países da região, não pode ser destacada como a principal razão para a reversão das expectativas.

Para a América Latina, falta de confiança na política do governo, seguido de instabilidade política e corrupção, são os três principais problemas da região. Observou-se o elevado percentual de 67,4% da falta de confiança na política do governo.

“No Brasil, falta de confiança na política econômica e instabilidade política receberam o mesmo percentual de 66,7%, seguido de infraestrutura inadequada e aumento da desigualdade de renda”, informou o Ibre/FGV.

Os resultados da sondagem mostram um quadro que remete às expectativas desfavoráveis em quase todos os países. “Não confiar na política econômica do governo e a instabilidade política como principais problemas são fatores que dificultam a perspectiva de um cenário favorável para o crescimento econômico”, concluiu o levantamento. (Por Ana Cristina Campos – Agência Brasil) 

Leia também:

Expansão empresarial da zona do euro acelera em novembro
Dólar volta superar R$5,60 influenciado por mercado externo
Governo do Japão aprova pacote de estímulo de US$ 490 bi
Vendas no varejo dos EUA superam expectativas em outubro
Respeito às tradições é estratégico em negociações no mercado árabe
Consumo das famílias tem queda de 1,13% em setembro
IBGE: setor de serviços tem uma queda de 0,6% em setembro
Confiança do empresário industrial cai pelo 3º mês seguido
Setor de Serviços cai em setembro após cinco altas seguidas
The Economist diz que Bolsonaro é ruim para a economia

TAGS:
EXPECTATIVA | QUEDA | ECONOMIA | AMÉRICA | LATINA | PMI