Relógio do Juízo Final se aproxima da meia-noite com guerra

Até agora, o mais próximo que esteve da meia-noite, tinha sido 100 segundos em 2020.

Em 25/01/2023 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Leah Millis/Reuters

Quando o Relógio do Juízo Final foi criado, em 1947, depois da Segunda Guerra Mundial, faltavam sete minutos para a meia-noite. Agora, após permanecer por dois anos na marca de 100 segundos, foi ajustado para 90 segundos.

O Relógio do Juízo Final, que mede simbolicamente o fim dos tempos, marcou, nesta terça-feira (24), que a humanidade jamais esteve tão perto do cataclismo planetário devido à guerra na Ucrânia, às tensões nucleares e à crise climática.

O Boletim dos Cientistas Atômicos, que descreve o relógio como uma "metáfora do quão próxima está a humanidade da auto aniquilação", moveu os ponteiros de 100 segundos para 90 segundos para a meia-noite.

A cada ano, a junta de ciência e segurança do Boletim e seus patrocinadores, entre os quais figuram 11 prêmios Nobel, tomam a decisão de reposicionar os ponteiros deste relógio simbólico.

Até agora, o mais próximo que esteve da meia-noite, a hora fatídica que esperam que nunca chegue, tinha sido 100 segundos. O relógio permaneceu nessa posição por dois anos, desde janeiro de 2020.

Mas as coisas pioraram. Em um comunicado, o Boletim afirma que, neste ano, adianta os ponteiros "devido, em grande parte, mas não exclusivamente, à invasão da Ucrânia por parte da Rússia e ao maior risco de uma escalada nuclear".

Também pesam "as ameaças contínuas representadas pela crise climática e o colapso das normas e instituições globais necessárias para mitigar os riscos associados com o avanço das tecnologias e as ameaças biológicas como a covid-19", acrescentou.

Quando o Relógio do Juízo Final foi criado, em 1947, depois da Segunda Guerra Mundial, faltavam sete minutos para a meia-noite. O relógio chegou a ficar a 17 minutos para o horário do apocalipse depois do fim da Guerra Fria, em 1991.

O Boletim dos Cientistas Atômicos foi fundado em 1945 por Albert Einstein, J. Robert Oppenheimer e outros cientistas que trabalharam no Projeto Manhattan, que produziu as primeiras armas nucleares. (Por France Presse, by G1)

Leia também:

Sony ressuscita walkman em duas versões atualizadas com IA
Deslumbrantes: Eventos raros da Lua acontecerão em 2023
Aplicativo móvel Ponto Cachoeiro atinge 24 mil downloads
Vereador protocola indicação para tecnologia 5G na Serra
Painel “Inovação, caminho para sucesso dos negócios” será dia 10
Evento de robótica espera receber até 10 mil pessoas em São Paulo
Vitória: Praça da Ciência recebe projeto Universo no Parque
InovaLab: inscrições são prorrogadas até 19 de setembro
Nos 471 anos de Vitória, programação especial nos CCEC
Operadoras ativam sinal do 5G em Fortaleza, Natal e Recife
Serra: Inscrições para o Prêmio Inoves estarão abertas até dia 27

TAGS:
CIÊNCIA | JUÍZO FINAL | GUERRA | UCRANIA | NUCLEAR