Retração: Comércio capixaba perdeu 1.700 lojas em 2020

As vendas do comércio capixaba fecharam 2020 com crescimento de 4,6% em relação a 2019.

Em 23/03/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Reprodução/6minutos-UOL

A Fecomércio-ES avalia que a crise provocada pela pandemia do coronavírus em 2020 alcançou proporções significativas e seus efeitos foram devastadores.

A retração econômica no Estado do Espírito Santo em 2020 só não foi maior que no ano de 2015 (-3.265) e 2016 (-3.005), quando o setor ainda sofria os efeitos da maior recessão da história recente do País. O indicador é resultado da movimentação entre aberturas e fechamento de estabelecimentos e significa o número de lojas que fecharam definitivamente suas portas no ano, divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Espírito Santo (Fecomércio-ES), no início deste mês de março. 

Diante de diversas medidas para o enfrentamento, contenção e prevenção da contaminação do coronavírus que incluiu decretos municipais e estaduais restringindo em parte ou totalmente a abertura de estabelecimentos e a circulação de pessoas, as vendas presenciais foram drasticamente reduzidas. 

Efeito devastador

A Fecomércio-ES avalia que a crise provocada pela pandemia do coronavírus em 2020 alcançou proporções significativas e seus efeitos foram devastadores. No entanto, pontua que após a reabertura dos estabelecimentos comerciais, o setor começou a reagir e conseguiu diminuir as perdas no ano. As vendas do comércio capixaba fecharam 2020 com crescimento de 4,6% em relação a 2019.

Em todo o país o saldo entre aberturas e fechamentos de estabelecimentos comerciais geradores de emprego formal contabilizou um fechamento de 75 mil estabelecimentos em 2020. Todas as 27 unidades da federação registraram saldo negativo, com destaque para São Paulo (-20,3 mil), Minas Gerais (-9,55 mil) e Rio de Janeiro (-6,04 mil). Nenhum segmento do comércio apresentou expansão no número de estabelecimentos em 2020, destacando-se o ramo de vestuário, calçados e acessórios (-22,29 mil), seguido pelos hiper, super e minimercados (-14,38 mil) e pelas lojas de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (-13,31 mil).

Nota Técnica

O levantamento sobre abertura e fechamento de estabelecimentos comerciais é realizado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em âmbito nacional, com dados para todas as unidades de federação. Os dados são baseados nas estatísticas de movimentação do CAGED/MTE. A análise dos dados do Espírito Santo foi realizada pela Assessoria Econômica da Fecomércio-ES.

TÓPICOS:
ECONOMIA   |  COMÉRCIO    |   CRISE   !   POLÍTICA   |   SAÚDE   |   EMPREGOS   | CIDADE