Teste do pezinho ajuda a detectar doenças e prevení-las

O objetivo principal do teste é detectar precocemente e impedir o desenvolvimento delas.

Em 09/09/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Reprodução/Beep Saúde

As doenças que o exame detecta são: Hipotireoidismo Congênito, Fenilcetonúria, Anemia Falciforme e outras Hemoglobinopatias, Fibrose Cística, Hiperplasia Adrenal Congênita e Deficiência de Biotinidase.

Alô papais e mamães que acabaram de ter um bebê! Vocês já fizerem o teste do pezinho nele? O exame, que é e obrigatório, é disponibilizado gratuitamente pelo Serviço Único de Saúde (SUS) e sua coleta deve ser realizada preferencialmente entre o terceiro e quinto dia de vida do recém-nascido, sempre após passadas 48h da primeira amamentação/alimentação.

O objetivo principal do teste é detectar precocemente doenças com o intuito de impedir o desenvolvimento delas, propiciando o tratamento em tempo hábil. Do contrário, elas podem levar à deficiência intelectual e/ou causar outros prejuízos à qualidade de vida.

“Aqui vale o famoso ditado ‘a prevenção é sempre o melhor remédio’, pois quanto antes descobrir a doença mais rápido e fácil será o tratamento”, explica a enfermeira da Vigilância Epidemiológica Cleide Beatriz Gasparini da Silva Lopes.

As doenças que o exame detecta são: Hipotireoidismo Congênito, Fenilcetonúria, Anemia Falciforme e outras Hemoglobinopatias, Fibrose Cística, Hiperplasia Adrenal Congênita e Deficiência de Biotinidase.

O teste do pezinho é rápido e é realizado por meio da coleta de gotas de sangue do calcanhar do bebê em papel filtro.

“Aqui em João Neiva ele é coletado na Sala de Vacinação na Unidade de Saúde Gadioli, de segunda a sexta-feira, das 7 às 16h. Após a coleta o material é encaminhado para o Centro de Diagnóstico Dr. Américo Buaiz (Cedab), que funciona na Apae Vitória”, informa a enfermeira.

Os pais ou responsáveis pelos recém-nascidos com exames alterados são reconvocados através de busca ativa para realização de novos exames e avaliação clínica para confirmação.

“O acompanhamento e/ou tratamento é realizado todo de forma gratuita na Apae Vitória. A Prefeitura de João Neiva disponibiliza o transporte”, acrescenta Beatriz.

Antônia Rosa de Moura diagnosticou através do teste do pezinho a doença fenilcetonúria (ou fenilalanina) em seu filho João Pedro quando recém-nascido.

“Se não fosse o exame de pezinho talvez não teria descoberto e a doença poderia se agravar. Graças a Deus a doença foi detectada a tempo e rapidamente iniciamos o tratamento, que ajudou muito meu filho”.

Ela completa relatando que ele está muito bem e que é uma criança muito sadia, ativa e que aprende as coisas muito rápido.

“Hoje ele está com três anos e continua o tratamento, mostrando um resultado cada vez melhor. Só tenho a agradecer a equipe da Apae e da prefeitura de João Neiva que sempre nos deram toda a atenção e suporte”.

A fenilcetonúria ou fenilalanina, se não for tratada, pode causar danos cerebrais, deficiência intelectual, sintomas comportamentais ou convulsões e feridas na boca. O tratamento inclui uma dieta rigorosa com limitação de proteínas. (Por Sumaida Zuccolotto)

Leia também:

Importância do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil
OMS pede que 3ª dose seja aplicada só em grupos de risco
Vila Velha ​abre agendamento de vacina para todos os grupos
> > Anvisa aprova medicamento para tratamento da covid-19
Campanha alerta para risco do consumo de álcool na gravidez
Estado recebe mais 105 mil doses de vacinas contra covid-19
Quem precisa tomar a terceira dose da vacina contra covid?
Governo do ES fecha compra de 500 mil doses de CoronaVac
Fiocruz analisa inflamação na covid-19 grave em diabéticos
Sesa divulga serviços da Saúde que funcionam dias 06 e 0
Brasil chega a 40% da população completamente vacinada

TAGS:
TESTE DO PEZINHO | DOENÇAS | GRAVIDEZ | BEBIDA ALCOÓLICA | VACINAS | BUTATAN | COVID-19 | DELTA | VARIANTE