Vendas no comércio cresceram 10,1% no primeiro semestre

Foi o maior crescimento semestral desde 2010, segundo Indicador Atividade do Comércio.

Em 19/07/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Ely Venâncio/EPTV

A alta foi puxada pelo setor de móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos e informática, que cresceram 13,6% no período.

As vendas no comércio físico brasileiro cresceram 10,1% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, apontou o Indicador de Atividade do Comércio. Esse foi o maior crescimento semestral desde 2010, disse a Serasa Experian.

No entanto, segundo o economista Luiz Rabi, essa alta observada é uma recuperação apenas parcial, “pois não compensa a queda expressiva relacionada a pandemia em 2020”.

A alta foi puxada pelo setor de móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos e informática, que cresceram 13,6% no período. Já a retração ocorreu principalmente nos setores de tecidos, vestuário, calçados e acessórios, com queda de 6,5% no período.

Junho

No mês de junho, o Indicador de Atividade do Comércio teve alta de 1,1% frente ao mês anterior. O segmento de tecidos, vestuários, calçados e acessórios teve um crescimento expressivo de 30,9%, o que impulsionou o cenário positivo do índice.

“Com o alto nível de desemprego e a diminuição do auxílio emergencial, as pessoas ainda estão seguindo o modelo de consumo por necessidade, o que afeta as vendas do varejo. A alta expressiva do setor de tecidos, vestuários, calçados e acessórios pode estar ligada ao período de frio iniciado em junho, que reforçou a demanda por esses itens”, disse Rabi. (Por Elaine Patricia Cruz – Agência Brasil)

Leia também:

11% dos trabalhadores fizeram home office ao longo de 2020
Retomada da economia mostra patamares pré-crise, diz Adolfo
Setor de serviços cresceu 1,2% em maio, diz pesquisa do IBGE
Confiança do empresário industrial subiu em julho, diz CNI
Projeção do PIB de 2021 passa para +5,26%, aponta Focus
Publicada MP que abre crédito a micro e pequenas empresas
Governo prorroga auxílio emergencial por mais três meses
Focus projeta Selic de 6,50% em 2021 e de 6,75% em 2022
Brasil criou 280,6 mil postos de trabalho formal em maio
IIE: Incerteza da economia brasileira voltou a subir em junho
Desemprego no Brasil mantém recorde de 14,7%, diz IBGE
Sebrae: pequenos negócios têm maior taxa de mortalidade
Mercado financeiro critica proposta que muda tributação
> Atividade e emprego em queda na indústria da construção
Confiança da construção cresce 5,2 pontos em junho, diz FGV
CNI e sindicatos reagem a corte de tarifas do Mercosul
Brasil registrou criação de 351.714 empresas no mês de março
Inflação persiste, mas economia evolui mais que o esperado
CNC aponta melhorias no mercado de trabalho e consumo
Com inflação, Copom eleva a taxa de juros Selic para 4,25%
Agronegócio puxa emprego em obras civis e no comércio
Dia dos Namorados deve movimentar R$ 1,8 bilhão em vendas
Conab prevê queda no preço do feijão com entrada da safra
Brasil precisa de uma reforma tributária ampla e urgente, diz CNI
OCDE mantém projeção de crescimento do PIB do Brasil
> Investimento em infraestrutura para vencer o desemprego
> Aneel: Conta de luz terá bandeira vermelha 2 no mês de junho
Brasil registra 14,8 milhões de desempregados, diz IBGE
Confiança da indústria no Brasil mostra recuperação em maio
Maior produtor de café, Brasil possui 12 indicações geográficas
Estoques da indústria voltam a ficar próximos do planejado
Brasileiros já pagaram R$ 1 trilhão em impostos este ano

TAGS:
EMPREGO | CAFÉ | PIB | ECONOMIA | PEQUENOS | PRODUÇÃO | INDUSTRIA | PRÉ-SAL | SELIC