Vila Velha faz série de operações contra invasões irregulares

A Prefeitura de Vila Velha está realizando uma série de operações contra invasões irregulares.

Em 19/08/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Assessoria/PMVV

Na última operação realizada numa área de proteção em Jabaeté, na Região 5, as equipes de fiscalização constataram que uma grande Área de Reserva Legal, com vegetação secundária de Mata Atlântica e que estava em processo de regeneração, foi queimada e derrubada.

A Prefeitura de Vila Velha está realizando uma série de operações contra invasões irregulares de áreas públicas e de preservação ambiental, como previsto na última reunião do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), que conta com as secretarias de Meio Ambiente, Defesa Social, Assistência Social, Desenvolvimento Urbano, Guarda Municipal, Polícia Militar, Ministério Público e outras forças de segurança.

"Estamos realizando uma série de levantamentos e já temos posse de todas as áreas públicas e preservadas que foram invadidas. Isso não será mais tolerado em Vila Velha. Essas áreas são protegidas ou são bens públicos, resguardadas por leis, e cabe a nós cumpri-las para garantir a integridade desses espaços”, comentou o secretário Geovânio Ribeiro

Na última operação realizada numa área de proteção em Jabaeté, na Região 5, as equipes de fiscalização constataram que uma grande Área de Reserva Legal, com vegetação secundária de Mata Atlântica e que estava em processo de regeneração, foi queimada e derrubada. A área é protegida pela Lei Federal 11.428/2006. Além da Lei Federal, o Plano Diretor Municipal, o PDM, resguardado por legislação municipal (65/2018), aponta o local como Zona de Especial Interesse Ambiental, o que impede o local de ser ocupado.

Demarcações e barracos provisórios, sem a mínima condição de habitação, foram flagrados na terra em meio às cinzas. Na reunião do último GGIM, o promotor de justiça da vara de meio ambiente e urbanismo de Vila Velha, Gustavo Senna, reforçou a importância das operações de preservação de áreas públicas. 

“Reuniões como essas, como tivemos no GGIM, são muito importantes, porque é um conjunto de esforços para agirmos em busca de uma cidade melhor, na visão do Ministério Público. Isso é fundamental para a saúde da cidade e vai refletir diretamente na saúde do próprio cidadão”, comentou Gustavo Senna. 

Imagens aéreas produzidas antes e depois da região mostram o tamanho da devastação da área, o que ajudou na produção do relatório enviado ao Ministério Público e à Polícia Civil, para identificar e punir os autores do crime ambiental. (Semcom/PMVV).

Leia também:

Vale e Ternium assinam termo para redução da emissão de CO2
Encontro virtual reunirá John Kerry e Governadores pelo Clima
Estradas de Ferro administradas pela Vale são bem avaliadas
ArcelorMittal Tubarão anuncia ações de controle ambiental
Vaticano reunirá religiosos e especialistas para discutir o clima
ONG: Iniciativa transforma lixo plástico em pranchas de surf
Um clique, uma árvore: Plante uma árvores sem sair de casa
No ES, todos os municípios realizam licenciamento ambiental
Alunos de escolas públicas participam de concurso de redação
Portocel faz ações educativas na Semana do Meio Ambiente
Vale promete recuperar 500 mil hectares de florestas até 2030
Escola supre 20% do consumo de água com sistema de reúso
Daniel Alves, Shakira e príncipe William se unem por mudanças
Maioria das grandes empresas não cumpre metas do clima
Governo do ES cria Programa Ambiental e apoio aos Municípios
Serra apresenta sistemas on-line de Licenciamento e Projetos

TAGS:
CO2 | DESCARBONIZAÇÃO | MEIO AMBIENTE | CARTA ABERTA | ACORDE DE PARÍS | SAÚDE | ECONOMIA | EMPREGOS