Emprego na indústria cresce pelo quinto mês consecutivo

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) média da indústria ficou em 73% em novembro.

Em 17/12/2020 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Agência Brasil

Sondagem realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), revela aumento na atividade industrial em novembro, mês em que o indicador costuma recuar. Intenção de investir permanece elevada.

A atividade industrial, a produção e o emprego voltaram a crescer em novembro. Dados da Sondagem Industrial, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), revelam que novembro, historicamente um mês de baixa para o setor, registrou alta neste ano. Índices de expectativas permanecem em patamares elevados, acima das respectivas médias históricas. O cenário positivo favorece a intenção do empresário industrial de investir. Mesmo com um recuo de 0,2 pontos na comparação com o mês anterior, em dezembro o indicador ficou em 59,1 pontos, quase 10 pontos acima da média histórica (49,8 pontos).

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) média da indústria ficou em 73% em novembro. Apesar da baixa de 1 ponto percentual em relação a outubro, a primeira após seis meses consecutivos de alta, a UCI de novembro de 2020 é 3 pontos percentuais superior à de novembro de 2019 e supera o registrado nos meses de novembro desde 2014, quando também registrou 73%. Na comparação com o usual, a UCI ficou estável em 51,1 pontos, acima da linha divisória dos 50 pontos pelo terceiro mês consecutivo, o que indica que a atividade industrial opera acima do nível usual para o mês.

Evolução

O índice de evolução do número de empregados ficou em 53,3 pontos, também acima da linha divisória de 50 pontos, o que retrata crescimento do emprego na indústria em novembro. O mesmo ocorreu com o índice de evolução da produção (53,1 pontos), que reflete um aumento intenso e disseminado da produção na comparação com o mês anterior.

Os estoques em queda e abaixo do nível planejado em novembro refletem crescimento das vendas acima da produção. “Ressalte-se que o índice de nível de estoque efetivo em relação ao planejado aumentou de 43,3 pontos para 44,1 pontos. É a primeira vez, desde o início da pandemia que o índice aumenta na comparação mensal. Ou seja, o índice ainda mostra que o volume dos estoques de produtos se encontra abaixo ao desejado, mas a distância entre o efetivo e o desejado pelas empresas diminuiu”, destaca o relatório técnico.

Expectativas positivas 

Todos os índices de expectativas permanecem em patamares elevados, acima não só da linha divisória de 50 pontos como de suas respectivas médias históricas. O indicador mostra que os empresários seguem bastante otimistas em relação aos próximos seis meses. (IstoÉ - Com informações da CNI)