Flamengo vence Palmeiras nos pênaltis e conquista Supercopa

Flamengo e Palmeiras empataram 2 a 2, gols de Raphael Veiga (2), e Gabigol e Arrascaeta

Em 11/04/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

(Foto: Lucas Figueiredo/CBF) Foto: Lance!

O início de temporada reservou o maior duelo entre Flamengo e Palmeiras nesta era em que ambos são os principais polos do futebol e brigam pela hegemonia nacional. E, pela Supercopa do Brasil, teve de tudo em um jogo elétrico e histórico, marcado pelo título do Flamengo conquistado através dos pênaltis, após empate em 2 a 2 - com gols de Raphael Veiga (2), Gabigol e Arrascaeta - no tempo regulamentar. O placar das penalidades foi de 6 a 5, após nada mais nada menos que 18 cobranças. Um roteiro impecável para os amantes do futebol.

Esperávamos um jogo a 220 volts. E a carga atingiu o aguardado já no primeiro lance de ataque. O Palmeiras abafou a saída do Flamengo, e, após ganhar a bola alçada por Diego Alves, teve em Rafael Veiga um protagonista de um gol de placa. O meia girou diante do Arão após tocar a bola estando de costas; frente a frente ao goleiro, bateu de trivela e não perdoou: 1x0 com 1'.

O jogo não deu oportunidades para o torcedor pegar um água. Almoçar, então, esqueça. O ritmo acelerado foi a tônica dos dois times, que, tensos e esbravejando com a arbitragem a cada instante, conseguiram criar chances até em uma quantidade atípica para uma final.

Aliás, todos os temperos de decisão estavam no mise en place. Expulsão? Teve: Abel Ferreira foi expulso quando o jogo estava empatado por reclamação. Polêmica com VAR? Teve: Isla cometeu falta próximo da área, em lance que, a princípio, Leandro Vuaden apitou falta dentro da área, mas recuou depois de alerta. Lance memorável? Teve: Diego tirou a bola em cima da linha, e de letra (!), em tentativa de Breno Lopes, que chegou a driblar Diego Alves.

VIRADA AINDA NO 1ºT

O Flamengo empatou e virou ainda no primeiro tempo. O gol de empate surgiu num período em que o Palmeiras travava a saída do rival com faltas em profusão. Filipe Luís fez a diferença em jogada individual, entrou rabiscando a zaga e acertou a trave; no rebote, gol do Gabigol, o 74º do agora artilheiro isolado do clube no século XXI.

A partida seguia aberta, franca. O reativo Verdão não deixou de incomodar Diego Alves. Mas o Flamengo, que não conseguia desenvolver o seu jogo impositivo, arrumou um espaço com o talento de Arrascaeta. O uruguaio cortou para dentro, da meia-lua, e finalizou com visão e classe: sem chance para Weverton. A virada ocorreu aos 48 minutos do intenso primeiro tempo.

O Palmeiras não titubeou. Veio para a etapa final com duas alterações, ambas na cabeça de área (Menino e Danilo entraram nas vagas de Felipe Melo e Zé Rafael). O time credenciado via Copa do Brasil passou a encurralar o Fla e a encontrar boas soluções para chegar à área e incomodar Diego Alves.

De tanto martelar, chegando por diversas caminhos e encontrando um Fla com o meio num mau dia, Rony sofreu pênalti cometido por Rodrigo Caio (puxão) e permitiu que Veiga empatasse o então justo marcador: 2x2.

O jogo permaneceu elétrico e destinou dois lances inacreditáveis envolvendo Weverton e linha de sua meta, ambas na reta final: uma em chute de Vitinho, a bola beijou a trave, e o goleiro beijou a bola (sim, literalmente); depois, praticamente na jogada derradeira, Gabigol chutou e a bola desfilou sobre a linha, mas o arqueiro foi buscar (VAR chegou a analisar). Nada... Os penais tiveram que decidir o memorável confronto.

DEPOIS DE 18 COBRANÇAS, DEU FLA!

Nas cobranças, que não ocorreram sem antes de uma confusão entre as delegações fora de campo, o Flamengo levou o título pela segunda vez consecutiva tendo Rodrigo Caio na cobrança final. Diego Alves ainda defendeu três pênaltis, brilhou e terminou como protagonista.

Antes de a bola rolar, o Palmeiras não vencia o Flamengo desde novembro de 2017 - eram seis confrontos, com três vitórias rubro-negras e três empates. E seguiu sem vencer. O Flamengo ampliou a respeitável sequência, desta vez com um duelo emocionante e de imensa magnitude.

Ficha técnica

FLAMENGO 2(6)X(5)2 PALMEIRAS - SUPERCOPA DO BRASIL

Estádio: Mané Garrincha, em Brasília (DF)

Data e hora: 11 de abril de 2021, às 11h

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Assistentes: Rafael da Silva Alves (Fifa/RS) e Jorge Eduardo Bernardi (RS)

Árbitro de vídeo: Wagner Reway (PB)

Gramado: bom

Cartões amarelos: Isla, Rodrigo Caio, Willian Arão, Rogério Ceni (FLA) / Felipe Melo, Wesley, Abel Ferreira, Luan, Mayke (PAL)

Cartões vermelhos: Abel Ferreira (PAL)

GOLS: Raphael Veiga, 1'/1ºT (0-1); Gabigol, 23'/1ºT (1-1); Arrascaeta, 48'/1ºT (2-1); Raphael Veiga, 28'/2ºT (2-2)

PÊNALTIS

Palmeiras

Raphael Veiga (gol), Gustavo Gómez (gol), Gustavo Scarpa (gol), Luan (perdeu), Danilo (perdeu), Matías Viña (gol), Pepê (gol), Gabriel Veron (gol), Mayke (perdeu).

Flamengo

Arrascaeta (gol), Filipe Luís (perdeu), Matheuzinho (perdeu), Vitinho (gol), Gabigol (gol), João Gomes (gol), Pepê (perdeu), Michael (gol), Rodrigo Caio (gol) Técnico: Rogério Ceni

Diego Alves; Isla (Matheuzinho, 17'/2ºT), Willian Arão, Rodrigo Caio e Filipe Luís; Diego (João Gomes, 17'/2ºT), Gerson (Pepê, 42'/2ºT), Everton Ribeiro (Vitinho, 33'/2ºT) e Arrascaeta; Bruno Henrique (Michael, 42'/2ºT) e Gabigol. Técnico: Abel Ferreira

Weverton; Marcos Rocha (Mayke, 14'/2ºT), Luan, Gustavo Gómez e Matías Viña; Felipe Melo (Gabriel Menino, intervalo), Zé Rafael (Danilo, intervalo), Raphael Veiga, Breno Lopes e Wesley (Gabriel Veron, 14'/2ºT); Rony (Gustavo Scarpa, 45'/2ºT). (Lance!)