Líderes empresariais e economistas detonam Jair Bolsonaro

Líderes empresariais do Brasil e economistas detonam resposta à pandemia de Bolsonaro.

Em 22/03/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: AFP via Getty Images

A carta, publicada em jornais e assinada por ex-presidentes de bancos centrais e alguns dos banqueiros mais ricos do Brasil, ressaltou uma revolta crescente de líderes empresariais contra o presidente de extrema direita que muitos apoiaram em sua eleição de 2018.

Centenas de líderes empresariais e economistas brasileiros criticaram a forma como o presidente Jair Bolsonaro lidou com a crise do coronavírus nesta segunda-feira (22) e pediram uma nova abordagem política enquanto o país entra em uma fase crítica de seu surto de COVID-19.

A carta, publicada em jornais e assinada por ex-presidentes de bancos centrais e alguns dos banqueiros mais ricos do Brasil, ressaltou uma revolta crescente de líderes empresariais contra o presidente de extrema direita que muitos apoiaram em sua eleição de 2018.

Sem nomear Bolsonaro, eles censuraram "a mais alta liderança política do país" por ignorar a ciência, encorajar multidões, promover tratamentos não comprovados e "flertar com o movimento antivacinas".

A assessoria de imprensa presidencial não respondeu a um pedido de comentários.

Uma onda de infecções tornou o Brasil o mais recente epicentro da pandemia do coronavírus, matando mais de 15.000 pessoas na semana passada e levando os hospitais de todo o país ao limite.

O governo brasileiro está correndo para obter novos suprimentos de medicamentos necessários para intubar pacientes com segurança, disse Jarbas Barbosa, diretor-assistente da Organização Pan-Americana da Saúde, na segunda-feira, depois que preocupações com a escassez surgiram este mês.

“Estamos à beira de uma fase explosiva da pandemia e é fundamental que, a partir de agora, as políticas públicas sejam baseadas em dados, informações sólidas e evidências científicas”, escreveram os empresários e economistas.

“O país está cansado de ideias fora do lugar, palavras inconseqüentes e ações tardias ou equivocadas”, disseram. “O Brasil exige respeito.”

Entre os signatários estavam Roberto Setubal e Pedro Moreira Salles, cujas famílias controlam o Itaú, maior banco do Brasil, Pedro Passos, cofundador da fabricante de cosméticos Natura & Co, e os ex-presidentes do banco central Gustavo Loyola e Armínio Fraga.

Em oposição ao governo, eles pediram mais urgência na obtenção de vacinas, máscaras gratuitas para os necessitados, melhor coordenação federal sobre a pandemia e consideração de uma estratégia nacional ou regional de bloqueio.

A mensagem de tais economistas e banqueiros proeminentes corta o argumento político central de Bolsonaro de que ele defendeu empregos opondo-se aos bloqueios, que a carta chamou de "falsa escolha entre salvar vidas e garantir apoio aos vulneráveis".

“Não é razoável esperar uma recuperação econômica em uma epidemia fora de controle”, escreveram eles.

Enquanto isso, o governo do estado de São Paulo afirmou que obteve garantias de fornecedores de oxigênio de que eles conseguirão manter o abastecimento de hospitais públicos e anunciou que a cervejaria AmBev também produzirá o gás em uma de suas fábricas no estado. (Com reportagem de Tatiana Bautzer; com reportagem adicional de Lisandra Paraguassu - Reuters)

TÓPICOS:
PIB   |   GÁS    |   ECONOMIA   |  PETRÓLEO   |   PRODUÇÃO INDUSTRIAL   |   PRÉ-SAL