Moraes autoriza PF a usar provas de inquéritos de Bolsonaro

Ministro Alexandre de Moraes, autorizou nesta terça-feira, 8, o compartilhamento de provas

Em 09/02/2022 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: EPA / Ansa - Brasil

No primeiro inquérito, sobre o vazamento de uma investigação sigilosa da PF a respeito de uma tentativa de ataque aos sistemas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a PF concluiu que Bolsonaro cometeu crime ao divulgar o conteúdo nas redes sociais.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta terça-feira, 8, o compartilhamento de provas do inquérito sobre o vazamento de uma investigação sigilosa da Polícia Federal pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) com a apuração que mira a atuação de uma milícia digital contra a democracia.

A decisão atendeu a um pedido da delegada federal Denisse Ribeiro Dias Rosas, responsável pelas duas investigações. Na avaliação do ministro, as semelhanças encontradas até o momento justificam o intercâmbio do material.

"Verifico a pertinência do requerimento da autoridade policial, notadamente em razão da identidade de agentes investigados nestes autos e da semelhança do modus operandi das condutas aqui analisadas com as apuradas nos Inquéritos 4.874/DF e 4.888/DF, ambos de minha relatoria", escreveu.

No primeiro inquérito, sobre o vazamento de uma investigação sigilosa da PF a respeito de uma tentativa de ataque aos sistemas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a PF concluiu que Bolsonaro cometeu crime ao divulgar o conteúdo nas redes sociais. O material foi usado para defender a chamada PEC do Voto Impresso e colocar sob suspeita a segurança das urnas eletrônicas, embora a Polícia Federal tenha concluído que não houve fraudes eleitorais. Apesar de ter imputado crime ao presidente, não houve indiciamento em razão do foro privilegiado.

No relatório final da investigação, a delegada Denisse Ribeiro Dias Rosas relaciona a atuação do presidente ao inquérito das milícias digitais.

"O modo de agir é correlato", escreveu ao pedir o compartilhamento do material.

A investigação das milícias digitais é derivada do inquérito dos atos antidemocráticos. Foi no âmbito dela que Moraes autorizou a prisão do ex-deputado Roberto Jefferson. (Estadão Conteúdo)

Leia também:

Centrão quer emplacar Tereza Cristina como vice de Bolsonaro
> TCU vai investigar uso de cartão corporativo de Bolsonaro
Jair Bolsonaro oficializa reajuste de 33,23% para professores
Jair Bolsonaro diz que a sua viagem à Rússia está mantida
Servidores da Anvisa e petista pedem retratação de Bolsonaro
Bolsonaro diz ter sido orientado a ignorar decisão de Moraes
Prisões da PF por corrupção têm menor patamar em 14 anos
Bolsonaro volta a atacar a segurança das urnas eletrônicas
PF conclui que presidente não cometeu crime no caso Covaxin
João Doria prevê eleições marcadas por "campanhas sujas"
Juíza do DF arquiva ação contra o Lula no caso do triplex

TAGS:
BOLSONARO | MORAES | POLÍCIA FEDERAL | PROVAS | INQUÉRITO