Quase 400 mil pequenas empresas fecharam na Itália em 2020

Segundo dados oficiais do Movimprese Unioncamere, houve queda de 10,8% no consumo.

Em 28/12/2020 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Com isso, em comparação com 85 mil novas vagas, a redução no número de empresas no país seria de quase 305 mil (-11,3%).   

A Confederação de Comerciantes da Itália (Confcommercio) revelou nesta segunda-feira (28) que quase 400 mil pequenas empresas não conseguiram suportar a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus Sars-CoV-2 e tiveram que fechar às portas em 2020.   

Segundo dados oficiais do Movimprese Unioncamere, houve uma queda de 10,8% no consumo, equivalente a uma perda de 120 bilhões de euros em relação a 2019, o que levou ao fechamento definitivo de mais de 390 empresas no comércio não alimentar e de serviços.   

Com isso, em comparação com 85 mil novas vagas, a redução no número de empresas no país seria de quase 305 mil (-11,3%).   

Ligação com o covid-19

Em 80% dos casos, a decisão de encerrar as atividades comerciais está ligada diretamente à Covid-19. Desta forma, das 240 mil empresas totais, 225 mil foram fechadas por excesso de mortalidade e 15 mil por déficit de natalidade.   

Entre os setores mais afetados, dentro no comércio, estão roupas e calçados (-17,1%), camelôs (-11,8%) e postos de gasolina (-10,1%). Por outro lado, as maiores perdas nos serviços de mercado foram registadas nas agências de viagens (-21,7%), bares e restaurantes (-14,4%) e transportes (-14,2%).   

Na sequência, aparecem as atividades artísticas, desportivas e de entretenimento, que registraram um verdadeiro colapso com o fechamento de uma a cada três empresas. Já em relação aos trabalhadores autônomos, a Confcommercio estima o declínio de cerca de 200 mil profissionais atuantes em atividades científicas e técnicas, administração e serviços, artísticas, de entretenimento e diversão. (ANSA)