Dólar volta superar R$5,60 influenciado por mercado externo

A expectativa de alta de juros nos EUA estimula a retirada de capitais de países emergentes.

Em 20/11/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: © REUTERS/Yuriko Nakao/Direitos reservados

Com o desempenho de hoje, o dólar fechou a semana com alta de 2,8%. A divisa ainda cai em novembro, mas a queda foi reduzida para apenas 0,56%.

Influenciado pelo mercado externo, o dólar subiu pelo quinto dia seguido e voltou a ficar acima de R$ 5,60. A bolsa de valores teve a primeira alta após quatro sessões consecutivas de perda, mas fechou a semana com perda de mais de 3%.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (19) vendido a R$ 5,609, com alta de R$ 0,039 (+0,7%). A cotação chegou a cair durante a manhã, atingindo R$ 5,52 por volta das 11h30, mas inverteu o movimento após declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) de que os estímulos monetários concedidos durante a pandemia de covid-19 podem ser retirados mais rápido que o previsto.

A expectativa de alta de juros nos Estados Unidos estimula a retirada de capitais de países emergentes, como o Brasil. Com o desempenho de hoje, o dólar fechou a semana com alta de 2,8%. A divisa ainda cai em novembro, mas a queda foi reduzida para apenas 0,56%. Em 2021, a moeda norte-americana sobe 8,1%.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 103.035 pontos, com ganho de 0,59%. A alta foi puxada por ações de mineradoras, influenciada pela subida do preço internacional do minério de ferro, e por empresas de telefonia, beneficiadas por uma decisão do Supremo Tribunal Federal de reduzir o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre serviços de telecomunicações em Santa Catarina. Apesar da alta de hoje, a bolsa encerrou a semana com queda de 3,1%.

A expectativa de que o Senado fatie a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios trouxe alívio para o mercado. Para investidores, a aprovação de um texto mais enxuto ajudará a reduzir as incertezas fiscais. Mesmo com a PEC aumentando os gastos públicos em 2022, os analistas econômicos acreditam que essa saída seria menos custosa do que um eventual decreto de calamidade pública para bancar o Auxílio Brasil de R$ 400. (Por Wellton Máximo/Agência Brasil com informações da Reuters)

Leia também:

Governo do Japão aprova pacote de estímulo de US$ 490 bi
Vendas no varejo dos EUA superam expectativas em outubro
Respeito às tradições é estratégico em negociações no mercado árabe
Consumo das famílias tem queda de 1,13% em setembro
IBGE: setor de serviços tem uma queda de 0,6% em setembro
Confiança do empresário industrial cai pelo 3º mês seguido
Setor de Serviços cai em setembro após cinco altas seguidas
The Economist diz que Bolsonaro é ruim para a economia
IBGE: vendas no comércio têm redução de 1,3% em setembro
Abate de suínos aumenta, mas de bovinos cai no 3º trimestre

TAGS:
DÓLAR | MERCADO EXTERNO | BOLSA DE VALORES | IBOVESPA | PEC