Casagrande e Zema avaliam acordo sobre tragédia de Mariana

Tragédia: Governadores de ES e MG propõem nova governança na reparação do Rio Doce.

Em 12/08/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Helio Filho-Secom/ES

O encontro teve o objetivo de avaliar as mudanças necessárias que precisam ser feitas no acordo e no seu processo de execução.

Os governadores do Espírito Santo, Renato Casagrande, e de Minas Gerais, Romeu Zema, se reuniram, na manhã desta quinta-feira (12), no Palácio Anchieta, em Vitória, para tratar da repactuação do acordo sobre a tragédia de Mariana. O encontro teve o objetivo de avaliar as mudanças necessárias que precisam ser feitas no acordo e no seu processo de execução, cujos termos vigentes são altamente burocráticos e com muitas instâncias de aprovação.

Os chefes dos Executivos capixaba e mineiro desejam unir forças para conquistar um acordo mais justo para os Estados, que passariam a receber os recursos diretamente. Pelo atual acordo, as indenizações são repassadas por intermédio da Fundação Renova. Desta forma, o modelo de governança a ser proposto tornaria as reparações com menos burocracia e mais céleres.

“A tragédia de Mariana afetou mais de dez municípios no Espírito Santo e uma população enorme nos dois Estados. Queremos que o processo de compensação e reparação seja menos burocrático. Nos preocupa que o processo de gestão e governança proposto à época da tragédia seja lento. Estamos aqui unidos para fazer a defesa de uma nova repactuação para que se tenha mais agilidade para recuperar a Bacia do Rio Doce, indenizar as pessoas que sofreram e que possamos ter um legado após esse desastre, em que perdemos vidas e sentimos os impactos na parte ambiental e econômica”, afirmou Casagrande.

“Nós, mineiros e capixabas, estamos nos unindo para agilizar as compensações aos atingidos pela tragédia de Mariana. Após seis anos do desastre, Minas e Espírito Santo ainda assistem, com muita lentidão, os resultados esperados. Dessa forma, os dois estados unirão esforços para que haja mais agilidade”, completou Zema.

As mudanças desejadas pelos Estados serão implementadas a partir de negociação com as demais instituições de Justiça e as empresas, no âmbito do processo de repactuação mediado hoje pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), instaurado por determinação do Juízo Federal competente. A proposta é tornar efetiva a reparação/compensação da região afetada e das pessoas atingidas com grande foco no fortalecimento do serviço público.

Os Estados buscam um acordo no formato do Termo de Reparação da tragédia de Brumadinho, o qual define condições e valores para a reparação integral, sem depender de estudos e diagnósticos que trazem lentidão ao processo, como existente atualmente. Em caso de sucesso dessa repactuação, os Estados e municípios têm como assumir diretamente a reparação socioeconômica.

Os Governos do Espírito Santo e Minas Gerais buscarão os termos da repactuação em cooperação ainda com os Ministérios Públicos Federal e Estaduais, além das Defensorias Públicas e da União. (As informações são dos Governos/ES e MG)

Leia também:

Parte da elite se afastou de Bolsonaro e não entra em aventura
Com 437 votos, Câmara cassa mandato da deputada Flordelis
PEC do voto impresso é rejeitada pelo plenário da Câmara
Militares devem deixar de lado loucuras de Bolsonaro, diz Renan
Operação Formosa: Por que blindados do Rio estarão Brasília
Bolsonaro receber tanques em Brasília é ameaça de golpe
Comissão especial da Câmara rejeita PEC do Voto Impresso
Estados pedem apoio do governo no combate à variante Delta
Senado aprova PLC para ICMS sobre venda em outro estado
Produção de serviços tem maior expansão em 8 anos, diz PMI
Trabalho remoto gerou economia de R$ 1,4 bilhão no Executivo
PEC dos precatórios prevê parcelar dívidas acima de R$ 66 mi
Aneel mantém bandeira vermelha nível 2 nas contas de luz
Taxa de desemprego no Brasil foi à 14,6% no último trimestre
Brasil gerou 309 mil empregos formais em junho, diz Caged
Confianças do comércio e serviços sobem em julho, diz FGV
Simples Nacional será isento da taxação de dividendos

TAGS: 
GOLPE | STF | IMPEACHMENT | INVESTIGAÇÃO | PROPINA | ELEIÇÕES | DEMOCRACIA | CPI | POLÍTICA