Resolução da CMN fixa em 3% meta de inflação para 2025

Medida pelo IPCA, a inflação de 2022 tem, como centro da meta definida pelo CMN, 3,5%.

Em 24/06/2022 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: © José Cruz/Agência Brasil

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, pretende conter a demanda aquecida e segurar os preços ao encarecer o crédito e estimular a poupança.

O Diário Oficial da União de hoje (24) publica resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) que fixa em 3% a meta de inflação para 2025, com uma tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. O percentual foi anunciado ontem (23) pelo Ministério da Economia.

Medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação de 2022 tem, como centro da meta definida pelo CMN, 3,5%. Para 2023 e 2024, as metas estão mantidas em 3,25% e 3%, respectivamente, com o mesmo intervalo de tolerância.

A meta de inflação deve ser perseguida pelo BC ao definir a taxa básica de juros, a Selic. Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, pretende conter a demanda aquecida e segurar os preços ao encarecer o crédito e estimular a poupança. Ao diminuir os juros básicos, o Copom torna mais barato o crédito, incentivando a produção e o consumo.

Histórico

Até 2016, a meta de inflação era fixada com dois anos de antecedência, mas um decreto publicado no Diário Oficial da União em junho de 2017 determinou que a definição passasse a ser feita três anos antes.

Segundo o Banco Central (BC), a mudança teve como finalidade reduzir as incertezas e melhorar a capacidade de planejamento das famílias,  empresas e governo. 

Desde 2005, o centro da meta de inflação estava em 4,5%, com 2,5 pontos de margem de tolerância. Em 2006, o intervalo caiu para dois pontos e permaneceu assim nos anos seguintes, até ser cair para 1,5 ponto para 2017 e 2018, algo que será mantido agora até 2025. (Por Pedro Peduzzi/Agência Brasil)

Leia também:

Arrecadação de tributos federais cresce 4,13% em maio
Total de empresas ativas cresce 3,7% no Brasil, diz o IBGE
Turismo brasileiro cresce 47,7% em abril, diz FecomercioSP
Aneel aprovou reajuste das bandeiras tarifárias em até 64%
Previsão do Ipea é de estabilidade para setor agropecuário
PIB teve um crescimento de 0,3% em abril, aponta Ibre-FGV
Procel economiza 22,7 bilhões de quilowatts-hora em 2021
IBGE inicia ação do Censo pesquisando entorno de domicílios
Petrobras anuncia renúncia do presidente José Mauro Coelho
Gasolina fica 5,18% mais cara a partir de hoje nas refinarias

TAGS:
INFLAÇÃO | CMN | IPCA | SELIC | META