Brasil se compromete com o fim do desmatamento até 2030

COP-26: Ativista indígena brasileira Txai Suruí discursa na Conferência do Clima, em Glasgow.

Em 02/11/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: UN Climate Change/REPRODUÇÃO / Estadão

Ao lado de 100 nações, grupo reúne 85% das florestas do mundo e terá aporte de US$ 19 bilhões de fundos públicos e privados.

Mais de cem líderes mundiais se comprometerão nesta terça-feira, 2, durante a Conferência do Clima (COP-26), em Glasgow, a deter e reverter o desmatamento em 2030 com medidas apoiadas por US$ 19 bilhões de fundos públicos e privados, que serão investidos na proteção e restauração das florestas. O Brasil faz parte da lista.  

"Países que abarcam dos bosques setentrionais do Canadá e da Rússia às florestas tropicais de Brasil, Colômbia, Indonésia e República Democrática do Congo vão apoiar a Declaração dos Líderes de Glasgow sobre as florestas e o uso da terra", antecipou em um comunicado o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson.

Esses países, reúnem 85% das florestas do mundo, uma superfície de mais de 33,6 milhões de km2, segundo o comunicado.

"Teremos a chance de encerrar a longa história da humanidade como conquistadora da natureza e, ao invés disso, nos tornamos seus guardiões", afirmou Johnson, que classificou o acordo como inédito.

Essas medidas serão apoiadas por um fundo de US$ 12 bilhões de dólares de dinheiro público, aportado por 12 países entre 2021 e 2025, além de US$ 7,2 bilhões de investimento privado de mais de 30 instituições financeiras mundiais. O dinheiro deve apoiar principalmente atividades em países em desenvolvimento, como a restauração de terras degradadas, a luta contra os incêndios florestais e a defesa dos direitos das comunidades indígenas.

Na segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, já tinham anunciado a meta de zerar o desmatamento ilegal até 2028 no Brasil. Antes, a data prevista era 2030.

"Nunca antes tantos líderes, de todas as regiões, representando todos os tipos de florestas, tinham unido forças desta maneira", deve dizer no evento desta terça-feira (2), o presidente da Colômbia, Iván Duque, segundo trecho antecipado pelos organizadores da COP-26.

A Colômbia se comprometerá a fixar uma meta de desmatamento zero até 2030 e ainda proteger 30% de seus recursos terrestres e oceânicos.

As florestas absorvem cerca de 30% das emissões de dióxido de carbono, de acordo com a ONG World Resource Institute (WRI). Mas, a proteção natural climática está desaparecendo rapidamente. O planeta perdeu 258 mil quilômetros quadrados de floresta em 2020, de acordo com a iniciativa de acompanhamento do desmatamento do WRI, a Global Forest Watch. A área é maior do que o Reino Unido.

O anúncio desta terça-feira não foi recebido por grupos ambientalistas como o Greenpeace.

"A Amazônia já está no limite e não poderá sobreviver a mais anos de desmatamento. Os povos indígenas pedem que se protejam 80% da Amazônia até 2025, e têm razão, é do que se necessita. O clima e o mundo natural não podem se permitir este acordo", criticou Carolina Pasquali, diretora-executiva do Greenpeace Brasil. (Estadão - Com Agências)

Leia também:

Casagrande apresenta ações do ES na área ambiental na COP-26
G20: EUA e UE fecham acordo sobre tarifas de aço e alumínio
Após negociações, G20 se aproxima de acordo sobre clima
Bolsonaro tem agenda esvaziada e ironizado pela imprensa
Rainha Elizabeth 2ª cancela sua participação na COP26
Biden edita decreto suspendendo restrições de viagens aos USA
China anuncia restrições após aumento de casos de covid
Joe Biden e Macron falam de uma defesa europeia mais forte
Os EUA têm compromisso de defender Taiwan, diz Joe Biden
Presidente da Itália se reúne com Merkel e volta a defender UE

TAGS:
REUNIÕES | DESMATAMENTO | ATIVISTA | COP26 | G20 | COMPROMISSO | CONFERENC