Ex-apoiadores de Bolsonaro migram na direção de Moro

General Carlos Alberto Santos Cruz e Luiz Henrique Mandetta são ex-ministros do Planalto.

Em 12/11/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

(Foto: Fátima Meira, Futura Press, Folhapress)

Na plateia de ex-bolsonaristas, além dos ex-ministros Santos Cruz e Mandetta, estavam os deputados federais Júnior Bozzella (PSL-SP), Professora Dayane Pimentel (PSL-BA), Julian Lemos (PSL-PB) e Luis Miranda (DEM-DF).

No ato de filiação de Sérgio Moro, realizado na última quarta-feira (10), em Brasília, dois ex-ministros de Jair Bolsonaro prestavam atenção ao discurso que o antigo colega de equipa ministerial fazia, repletos de críticas ao presidente. O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que comandou a pasta da Secretaria de Governo, e Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, eram dos principais nomes entre os ex-aliados de Bolsonaro que se aproximaram de uma possível candidatura presidencial do ex-ministro da Justiça. Mas nas primeiras filas do auditório Ulysses Guimarães, parlamentares eleitos na onda do bolsonarismo, em 2018, já ocupavam as primeiras filas para ouvir as palavras de Moro, deixando o presidente Bolsonaro de lado.

Nessa plateia de ex-bolsonaristas, além dos ex-ministros estavam, por exemplo, os deputados federais Júnior Bozzella (PSL-SP), Professora Dayane Pimentel (PSL-BA), Julian Lemos (PSL-PB) e Luis Miranda (DEM-DF).

“Todos têm o direito de apoiar e votar em quem quiser. Mas ninguém tem boas justificativas para votar em Lula ou em Bolsonaro. Dito isso, estamos no jogo da democracia e cada um defenderá quem melhor lhe representa. Eu me sinto representada por Moro”, disse a deputada Professora Dayane.

“Moro é o herói de toda uma geração cansada de ver o Brasil ser saqueado por corruptos. Ele representa o significado mais genuíno do patriotismo. Deixou a toga e o ministério por convicção, por comprometimento com o país, e isso está na memória de todo brasileiro”, disse Bozzella nas suas redes sociais.

Pivô de uma crise direta com o presidente Bolsonaro, por conta de denúncias feitas pelo seu irmão em relação à pressão para aquisição de vacinas contra a covid, o deputado Luis Miranda fez questão de posar para fotos ao lado de Moro.

“Nós continuamos combatendo a corrupção. Nós não nos aliamos a corruptos de nenhum lado. Nós não fechamos os olhos para os erros de ninguém. Nós pagamos um preço alto por isso. Nós temos a consciência tranquila. Nós vamos construir um país verdadeiramente diferente”, afirmou o deputado.

O general Santos Cruz concorda que Moro pode se tornar a opção preferencial para quem, como ele, ficou decepcionado com o governo Bolsonaro.

“Na campanha de 2018, existia um entusiasmo muito grande para encerrar aquele período do PT. O PT estava desgastado por escândalos financeiros, escândalos de corrupção. Então, existia um entusiasmo geral para terminar aquele período e começar um novo. E Bolsonaro se apresentou com um discurso do qual não cumpriu nada”, lembra o general.

Dentro de seu novo partido, Moro já desperta a admiração de aliados atuais de Bolsonaro, como os senadores Eduardo Girão (CE) e Marcos do Val (ES), que atuaram na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid alinhados ao governo Bolsonaro. Os dois compareceram ao ato de filiação. Girão considerou o discurso de Moro “sereno e forte”.

“Participei do ato de filiação do ex-ministro Sérgio Moro ao Podemos. Em seu discurso sereno e forte, ele ressaltou a necessidade de diálogo para unir o País, a importância de enfrentar a corrupção, o retorno da prisão em 2ª instância, o fim da reeleição e do foro privilegiado”, postou o senador nas suas redes sociais. (Estadão Conteúdo)

Leia também:

Entrada de Sérgio Moro divide 3ª via e provoca desconfiança
Em novo ataque, Bolsonaro chama Petrobras de “monstrengo”
Lula alcança 48% das intenções de voto e Moro passa Ciro
Demissão de servidores ambientais cresce com Bolsonaro
Presidente edita decreto que regulamenta o Auxílio Brasil
Jair Bolsonaro diz que caminhoneiros podem "parar o Brasil"
Bolsonaro concede Medalha do Mérito Científico a si mesmo
Bolsonaro depõe à PF sobre suposta interferência na polícia
Presidente vai discutir preço de combustíveis na volta ao Brasil
Oposição vai à COP26 contrapor versão do governo Bolsonaro

TAGS:
SÉRGIO MORO | MANDETTA | SANTOS CRUZ | PLATEIA | MIGRARAM | DEPUTADOS