ONS vê alta de 3,4% na carga de energia do Brasil em agosto

O movimento teve impacto de uma pequena elevação na previsão de carga os subsistemas.

Em 20/08/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: Linhas de transmissão de energia/Reuters

Na estimativa para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, que possui a maior carga de eletricidade do Brasil, o ONS prevê agora alta de 1,6% frente a agosto de 2020, ante 1,4% na semana anterior.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) subiu levemente nesta sexta-feira sua estimativa para o crescimento da carga de energia do Brasil em agosto, passando a projetar um aumento de 3,4% na comparação anual, ante alta de 3,2% vista na semana anterior.

O movimento teve impacto de uma pequena elevação na previsão de carga para todos os subsistemas.

Na estimativa para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, que possui a maior carga de eletricidade do Brasil, o ONS prevê agora alta de 1,6% frente a agosto de 2020, ante 1,4% na semana anterior.

Para a região Norte, a previsão atualizada é de crescimento de 4,2% (ante 3,7%), enquanto para o Nordeste é de alta de 7,4% (ante 7,1%) e para o Sul avanço de 5,5% (ante 5,2%).

Em relação às chuvas nas regiões de hidrelétricas, em momento em que o país enfrenta uma grave crise hídrica e vê afetada a geração de energia pela principal fonte utilizada, o ONS reiterou que as afluências seguirão abaixo da média em todos os subsistemas em agosto, mas sem grandes alterações ante as previsões da semana passada.

A região Norte apresenta a melhor situação do país, com estimativa de que as precipitações atinjam 82% da média para este período do ano, ante previsão de 81% na semana anterior. Em contraste, as chuvas no Sul deverão alcançar apenas 36% da média, ante previsão de 33% anteriormente.

Para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, que concentra os principais reservatórios de hidrelétricas do Brasil, a estimativa de afluência do ONS foi fixada em 59% da média, ante 57% estimados na semana passada. Já o Nordeste deverá ter 43% da média de precipitações, ante 42% anteriormente. (Por Marta Nogueira - Reuters)

Leia também:

Alta na produção e no emprego reflete retomada da indústria
Pequenas indústrias evoluiram no 2º trimestre, diz CNI
Preço da cesta básica sobe 22% e encosta no salário mínimo
Inflação de julho aumenta1,12% para todas as faixas de renda
Volume de cargas nos portos cresceu 9,4% no 1º semestre
Expectativa de emprego nos Serviços é a maior em oito anos
Indicador de Emprego FGV atinge maior nível em 18 meses
Investimento chinês no Brasil caiu 74% em 2020 , diz pesquisa
Produção de serviços tem maior expansão em 8 anos, diz PMI
Trabalho remoto gerou economia de R$ 1,4 bilhão no Executivo
PEC dos precatórios prevê parcelar dívidas acima de R$ 66 mi
Aneel mantém bandeira vermelha nível 2 nas contas de luz
Taxa de desemprego no Brasil foi à 14,6% no último trimestre
Brasil gerou 309 mil empregos formais em junho, diz Caged
Confianças do comércio e serviços sobem em julho, diz FGV
Simples Nacional será isento da taxação de dividendos
Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 6,56%
Produção de aço bruto do Brasil cresce 24% no 1º semestre
Reforma tributária é fundamental, diz presidente da CNI
Intenção de consumo das famílias segue crescendo, diz CNC
Vendas no comércio cresceram 10,1% no primeiro semestre
11% dos trabalhadores fizeram home office ao longo de 2020
Retomada da economia mostra patamares pré-crise, diz Adolfo
Setor de serviços cresceu 1,2% em maio, diz pesquisa do IBGE

TAGS:
CESTA BÁSICA | INFLAÇÃO | PREÇOS | SERVIÇOS | EMPREGO | ECONOMIA | PRODUÇÃO | INDUSTRIA | SELIC