Substância em veneno de cobra pode inibir avanço da covid

Pesquisadores paulistas identificaram uma proteína presente no veneno da cobra jararacuçu.

Em 24/08/2021 Referência CCNEWS, Redação Multimídia

Foto: © Instituto Vital Brazil/Direitos reservados

Segundo pesquisadores, um possível remédio com o composto descoberto, ao desacelerar a replicação do vírus da covid-19, daria mais tempo para o organismo agir e criar os anticorpos.

Pesquisadores de universidades paulistas identificaram uma proteína presente no veneno da cobra jararacuçu que pode ajudar no tratamento da covid-19. O peptídeo identificado, ou seja, uma parte da proteína, inibiu 75% da capacidade do vírus de se replicar em células de macaco. O estudo da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Araraquara (SP), foi publicado na revista científica Molecules, em 12 de agosto.

O professor do Instituto de Química Eduardo Maffud, um dos responsáveis pelo estudo, explica que o grupo de pesquisa já havia identificado toxinas no veneno da jararacuçu que tinham atividade antibacteriana.

“Com o avanço da covid, a gente posicionou vários dos nossos peptídeos para ver se eles apresentavam atividade contra o SARS-CoV-2. Felizmente a gente obteve esse resultado interessante”, disse o pesquisador.

De acordo com o pesquisador, um possível remédio com o composto descoberto, ao desacelerar a replicação do vírus da covid-19, daria mais tempo para o organismo agir e criar os anticorpos necessários para resistir à doença.

“Isso ainda está em andamento, precisaria de estudos adicionais, mas a gente viu que esse peptídeo impede a replicação ou a multiplicação das partículas virais”, acrescenta Maffud.

Os pesquisadores vão avaliar também a eficiência de diferentes dosagens da molécula, e se ela pode exercer funções de proteção na célula, o que poderia evitar, inclusive, a invasão do vírus no organismo.

Segundo Maffud, os estudos vão seguir com a identificação de outros alvos em que esse peptídeo pode agir e no melhoramento da atividade dessa molécula para, então, serem feitos testes in vivo em cobaias, como camundongos.

“Se o resultado for positivo, vamos desenvolver um tratamento.”

Além de cientistas da Unesp, o trabalho envolveu pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Foi um trabalho multidisciplinar, mostrando que a união dos grupos de pesquisa no Brasil pode apresentar resultados muito interessantes”, destacou o professor da Unesp. (Por Camila Maciel - Agência Brasil)

Leia também:

Governo do ES lança Jornada Capixaba de Ciência e Inovação
Meu RPPS: IPS lança o primeiro aplicativo para smartphone
Samsung anuncia o notebook Galaxy Book Go no Brasil
PwC Brasil anuncia a ampliação do foco no Espírito Santo
Punições contra violações da proteção de dados em vigor
Boletim de acidentes de trânsito sem vítimas on-line no ES
Sociedades médicas recomendam manter 2ª dose em 84 dias
Adiar consulta oftalmológica pode causar danos na visão
Butantan recebe IFA para 20 milhões de doses da CoronaVac
Anvisa autoriza fábrica que poderá produzir vacinas da Pfizer
Vila Velha abre mais de 23 mil vagas para vacinar contra covid
Vila Velha abre mais 15 mil vagas para vacinar contra covid-19
19 mil capixabas não retornaram para 2ª dose da AstraZeneca
Incontinência urinária pode piorar no inverno, diz urologista
Campanha Julho Amarelo conscientiza sobre hepatites virais
Julho Verde alerta para prevenção ao câncer de cabeça e pescoço
Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
Covid: Vitória é referência em vacinação e atrai público externo
Prefeitura de Vitória realiza operação tapa-buracos na cidade

TAGS:
COBRA | JARARACUÇU | PESQUISA | ALZHEIMER | VISÃO | CIÊNCIA | ASTRAZENECA | CORONAVAC | PFIZER | JANSSEN